Vinhos: meu bem, mas pode ser meu mal

Vinhos: meu bem, mas pode ser meu mal

Jacir J. Venturi*

30 de agosto de 2020 | 06h00

Falar de vinhos em ambientes sociais é uma postura amistosa, glamourosa e em certa medida demonstra cultura. Porém, pode-se legar a imagem de esnobe, pedante, pernóstico. Ou usando uma adjetivação mais recorrente: “enochato” no falar e, pior, inconveniente no beber. É uma bebida controversa, pois muitas são as pesquisas sobre os efeitos – positivos e negativos – do álcool no organismo.

Um dos estudos de maior fidúcia feito por 6 professores das universidades de Stanford e do Texas, durante 20 anos e com 1800 americanos na faixa etária de 55 a 65 anos,  mensurou a taxa de mortalidade neste período. Os participantes foram divididos em grupos: o dos bebedores contumazes, pesados, com mais de 4 taças de vinho por dia, no qual o índice de mortalidade foi de 60%; e o dos bebedores moderados, com uma ou duas taças por dia, cuja taxa foi de 41%. Essa diferença nos percentuais talvez não seja suficientemente convincente, pois de per si é um indicativo que afetaria “apenas” a longevidade dos seguidores mais fiéis ao deus Baco. Contudo – e aqui reside a grande surpresa –, a taxa de mortalidade dos que nada bebem equivale à dos que ingerem diariamente acima de 4 taças de vinho.

Mas há outros argumentos a favor dos benefícios de um consumo comedido de bons vinhos. Na produção do tinto se incorporam as cascas e as sementes, que com a fermentação produzem o resveratrol, substância pouco presente nos espumantes e brancos, feitos com polpa da fruta. Esse polifenol é um potente antioxidante, é anti-inflamatório, robustece o sistema imunológico, reduz as placas de gordura nas artérias e o risco de alguns tipos de tumor. Comprovadamente diminui as doenças cardiovasculares, pois, ao mesmo tempo que eleva o bom colesterol (HDL), melhora os níveis do mau colesterol (LDL).

O vinho é um bom lubrificante social, é catarse, é disposição para a alegria e confraternização em qualquer grupo. Certamente, aí reside um dos benefícios adicionais que vão além do resveratrol: afastar a melancolia. Até mesmo as Sagradas Escrituras se rendem aos seus encantos, uma vez que “alegra o coração dos homens”. Tomado de regozijo, também o circunspecto Benjamin Franklin se queda ao néctar dos deuses: “O vinho é a prova constante de que Deus nos ama e deseja ver-nos felizes”.

Todavia, há de se considerar algumas consequências funestas: em quantidades elevadas, o álcool promove doenças degenerativas no fígado e no cérebro, bem como gastrites, deletérias para a convivência familiar e laboral. Tais efeitos, além das motivações religiosas, fazem com que o fiel da balança penda a favor dos abstêmios. É delgada a linha divisória entre o consumo moderado de álcool e a dependência, e não há quem desconheça os malefícios do exagero. Além disso, se vinho harmoniza tão bem com queijos, nada combina com direção. Parcimônia, temperança são as palavras de ordem, e o que importa mais é a qualidade de vida! Mas o que seria consumo moderado? Boa parte da literatura médica estabelece para o vinho uma, eventualmente duas taças (de 250 ml) diárias.

Há os que evitam o vinho (e outras bebidas alcoólicas) por saberem que sua genética tem elevada influência, bastando começar… Um amigo meu, num crescendo, foi de uma taça a uma garrafa por dia, em dois anos… O que aconteceu? Esteatose (gordura) no fígado. O médico foi assertivo: parar por completo por uns meses. E, como melhorou, hoje está restrito a três taças por semana. Donde adotei como filosofia de vida: bebo pouco para beber sempre.

E nesta quarentena de pandemia, talvez por ser uma bebida intimista, apresentou uma considerável elevação nas vendas. Os vinhos finos nacionais, que representam 16% do total de consumo no país, tiveram um incremento de 66% nas vendas neste primeiro semestre, quando se compara ao mesmo período de 2019. Considerando adultos acima de 18 anos, o consumo per capita no Brasil foi de 2,8 litros/ano, portanto muito aquém dos três países que estão no pódio: Portugal (44), França (41) e Itália (38). Vinho bom é caro, no entanto há um preceito básico: nem todo o vinho caro é bom, mas todo o vinho barato é ruim. E a vida é muito curta para tomar vinhos vulgares.

O vinho é uma bebida tão antiga quanto a civilização: há registros datados de 6000 a.C., sendo onipresente a descrição de porres homéricos nos banquetes greco-romanos e até nas Sagradas Escrituras, que mencionam o fermentado 140 vezes. Há ciência, sim, em relação aos benefícios do vinho, mas nos acautelemos, pois nas redes sociais muitos são os milagres apregoados, tal como acontece com os polivitamínicos. Sonho e glamour é ter a própria vinícola, que, por ser dispendiosa e difícil de colocar o produto no mercado, se compara a um haras. Em tom de blague, já me ensinaram como me tornar um milionário com uma vinícola: bastaria ser um bilionário! E mesmo quando a vida não apresenta motivos para brindar, vale a recomendação de Napoleão: “Nas vitórias é merecido, nas derrotas é necessário”.

*Jacir J. Venturi, professor, enófilo, autor de livros e Cidadão Honorário de Curitiba

Tudo o que sabemos sobre:

Artigo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: