‘Vinho do porto’ era um dos códigos para propina na Carne Fraca, suspeita PF

AO VIVO

Eleições: 2020: notícias, resultados e apuração do 2° turno

‘Vinho do porto’ era um dos códigos para propina na Carne Fraca, suspeita PF

Maria do Rocio, fiscal do Ministério da Agricultura presa, usava termos como 'documento', 'depoimento' e 'vinho do porto' para se referir a entrega feita por empresário do setor alimentício, revelam grampos

Luiz Vassallo, Julia Affonso, Ricardo Brandt e Mateus Coutinho

25 de março de 2017 | 17h00

VINHO 2
Investigadores da Operação Carne Fraca suspeitam que a chefe do Serviço de Inspeção de Produtos de Origem Animal, do Ministério da Agricultura, no Paraná, Maria do Rócio Nascimento, se refere à propina supostamente recebida de empresários do setor alimentício como “vinho do porto”, em um diálogo de telefone monitorado em 2016, com autorização da Justiça. Ela é um dos alvos centrais das investigações da Polícia Federal de crimes de corrupção e fraudes em fiscalizações em frigoríficos e empresas de embutidos.

MARIA DO ROCIO: VINHO DO PORTO


MARIA DO ROCIO:DOCUMENTO E DEPOIMENTO


Presa preventivamente desde sexta-feira, 17, quando foi deflagrada a Carne Fraca, Maria do Rocio é apontada como uma das líderes da suposta organização criminosa que tinha o fiscal Daniel Gonçalves Filho, como peça central.

 

Em um dos casos nos quais é flagrada por interceptações da Polícia Federal, a fiscal conversa com a irmã, Sônia Mara do Nascimento, sobre supostas propinas que receberia do empresário Roberto Borba Coelho Junior, da empresa Multicarnes Representações Comerciais. A irmão também foi presa  na operação.

MARIA– alguém passou aí?
SONIA– não.
MARIA– não?
SONIA– não.
MARIA– uhum.
SONIA– não passou aqui.
MARIA– é então ele deve passar daqui a pouco Sônia.
SONIA– tá bom.
MARIA– porque daí eu aviso o Daniel tá.
SONIA– tá.
MARIA– para pegar aí, tá bom.
SONIA– o Dr Daniel vem pegar?
MARIA– vem pegar…Sônia sabe o vinho do Porto que fiz o pedido?
SONIA– aham.
MARIA– vai entregar aí, tá
SONIA– tudo bem.
MARIA– aquele vinho do Porto que eu fiz o pedido; fui eu que fiz tá?
SONIA– entendi.
MARIA– e aquele outro era para ir lá…tá né… só verifica assim mas por curiosidade, quanto que é…né (risos).
SONIA– entendi, entendi tudo’

FOTO MARIA DO ROCIO

O juiz federal Marcos Josegrei da Silva, da 14ª Vara Federal, em Curitiba, que ordenou as prisões e buscas da Carne Fraca, destacou em decisão que na mesma data, Maria do Rocio ligou para outra irmã, Mara Rúbia Mayorka, e avisou que já havia sido entregue o pacote com “documentos”.

“Maria se refere ao conteúdo do pacote como sendo um ‘depoimento’ que ela teria dado, e ela pergunta se a irmã leu e se está bom, porque estaria curiosa para saber quantas ‘folhas’ deu.”, registrou o magistrado.

Enquanto chefe do Serviço de Inspeção de Produtos de Origem Animal, Maria do Rócio foi responsável pelo afastamento, em 2014, do fiscal Daniel Teixeira, que havia determinado a suspensão da empresa Peccin Agroindustrial Ltda, após constatar irregularidades.

Daniel Teixeira é considerado a gênese da Operação Carne Fraca. Em 2015 ele procurou a PF e revelou que o frigorífico autuado por ele pagava propinas à fiscais, entre eles, Maria do Rocio e Daniel Gonçalves.

Segundo a decisão do juiz Marcos Josegrei, ela teria sido paga pela empresa após exonerar Daniel.

COM A PALAVRA, MARIA DO ROCIO

A defesa de Maria do Rocio foi contatada pela reportagem, mas ainda não respondeu. O espaço está aberto para manifestação.

COM A PALAVRA, CARLOS CESAR

A defesa de Carlos Cesar não foi localizada. O espaço está aberto para manifestação.

COM A PALAVRA, O FRIGORÍFICO PECCIN

A PECCIN AGRO INDUSTRIAL LTDA. vem a público comunicar, em razão da operação Carne Fraca, da Polícia Federal, realizada ontem, dia 17 de março, sua grande surpresa, consternação e forte repúdio as falsas alegações que culminaram com a prisão preventiva de seus diretores, esclarecendo o seguinte:
1. A PECCIN AGRO INDUSTRIAL LTDA. tem amplo interesse em contribuir com as investigações, em busca da verdade, estando inteiramente à disposição das autoridades policiais para prestar quaisquer esclarecimentos que se façam necessários;
2. A PECCIN AGRO INDUSTRIAL LTDA. declara que estão confiantes de que os órgãos competentes saberão discernir a efetiva veracidade dos fatos que ora se alegam, ainda, conclama pela paciência e serenidade da sociedade para o esclarecimento dos fatos verdadeiros;
3. Por isso a PECCIN AGRO INDUSTRIAL LTDA. lamenta a divulgação precipitada de inverdades sobre o seu sistema de produção, sendo que as informações repassadas ao grande público foram no afã de justificar os motivos da operação “Carne Fraca”, modificando os fatos e comprometendo a verdade.
4. Por fim a PECCIN AGRO INDUSTRIAL LTDA., esclarece que que não tem qualquer vínculo comercial ou societário com a Peccin S/A, indústria gaúcha de doces e chocolates.

COM A PALAVRA, A DEFESA DE DANIEL GONÇALVES FILHO

O advogado criminalista Rodrigo Sanchez Rios afirma que irá se pronunciar nos autos do processo contra seu cliente.

COM A PALAVRA, ROBERTO BORBA COELHO

A defesa de Roberto Borba Coelho não foi localizada. O espaço está aberto para manifestação.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.