‘Vinho do porto’ era um dos códigos para propina na Carne Fraca, suspeita PF

‘Vinho do porto’ era um dos códigos para propina na Carne Fraca, suspeita PF

Maria do Rocio, fiscal do Ministério da Agricultura presa, usava termos como 'documento', 'depoimento' e 'vinho do porto' para se referir a entrega feita por empresário do setor alimentício, revelam grampos

Luiz Vassallo, Julia Affonso, Ricardo Brandt e Mateus Coutinho

25 Março 2017 | 17h00

VINHO 2
Investigadores da Operação Carne Fraca suspeitam que a chefe do Serviço de Inspeção de Produtos de Origem Animal, do Ministério da Agricultura, no Paraná, Maria do Rócio Nascimento, se refere à propina supostamente recebida de empresários do setor alimentício como “vinho do porto”, em um diálogo de telefone monitorado em 2016, com autorização da Justiça. Ela é um dos alvos centrais das investigações da Polícia Federal de crimes de corrupção e fraudes em fiscalizações em frigoríficos e empresas de embutidos.

MARIA DO ROCIO: VINHO DO PORTO


MARIA DO ROCIO:DOCUMENTO E DEPOIMENTO


Presa preventivamente desde sexta-feira, 17, quando foi deflagrada a Carne Fraca, Maria do Rocio é apontada como uma das líderes da suposta organização criminosa que tinha o fiscal Daniel Gonçalves Filho, como peça central.

 

Em um dos casos nos quais é flagrada por interceptações da Polícia Federal, a fiscal conversa com a irmã, Sônia Mara do Nascimento, sobre supostas propinas que receberia do empresário Roberto Borba Coelho Junior, da empresa Multicarnes Representações Comerciais. A irmão também foi presa  na operação.

MARIA– alguém passou aí?
SONIA– não.
MARIA– não?
SONIA– não.
MARIA– uhum.
SONIA– não passou aqui.
MARIA– é então ele deve passar daqui a pouco Sônia.
SONIA– tá bom.
MARIA– porque daí eu aviso o Daniel tá.
SONIA– tá.
MARIA– para pegar aí, tá bom.
SONIA– o Dr Daniel vem pegar?
MARIA– vem pegar…Sônia sabe o vinho do Porto que fiz o pedido?
SONIA– aham.
MARIA– vai entregar aí, tá
SONIA– tudo bem.
MARIA– aquele vinho do Porto que eu fiz o pedido; fui eu que fiz tá?
SONIA– entendi.
MARIA– e aquele outro era para ir lá…tá né… só verifica assim mas por curiosidade, quanto que é…né (risos).
SONIA– entendi, entendi tudo’

FOTO MARIA DO ROCIO

O juiz federal Marcos Josegrei da Silva, da 14ª Vara Federal, em Curitiba, que ordenou as prisões e buscas da Carne Fraca, destacou em decisão que na mesma data, Maria do Rocio ligou para outra irmã, Mara Rúbia Mayorka, e avisou que já havia sido entregue o pacote com “documentos”.

“Maria se refere ao conteúdo do pacote como sendo um ‘depoimento’ que ela teria dado, e ela pergunta se a irmã leu e se está bom, porque estaria curiosa para saber quantas ‘folhas’ deu.”, registrou o magistrado.

Enquanto chefe do Serviço de Inspeção de Produtos de Origem Animal, Maria do Rócio foi responsável pelo afastamento, em 2014, do fiscal Daniel Teixeira, que havia determinado a suspensão da empresa Peccin Agroindustrial Ltda, após constatar irregularidades.

Daniel Teixeira é considerado a gênese da Operação Carne Fraca. Em 2015 ele procurou a PF e revelou que o frigorífico autuado por ele pagava propinas à fiscais, entre eles, Maria do Rocio e Daniel Gonçalves.

Segundo a decisão do juiz Marcos Josegrei, ela teria sido paga pela empresa após exonerar Daniel.

COM A PALAVRA, MARIA DO ROCIO

A defesa de Maria do Rocio foi contatada pela reportagem, mas ainda não respondeu. O espaço está aberto para manifestação.

COM A PALAVRA, CARLOS CESAR

A defesa de Carlos Cesar não foi localizada. O espaço está aberto para manifestação.

COM A PALAVRA, O FRIGORÍFICO PECCIN

A PECCIN AGRO INDUSTRIAL LTDA. vem a público comunicar, em razão da operação Carne Fraca, da Polícia Federal, realizada ontem, dia 17 de março, sua grande surpresa, consternação e forte repúdio as falsas alegações que culminaram com a prisão preventiva de seus diretores, esclarecendo o seguinte:
1. A PECCIN AGRO INDUSTRIAL LTDA. tem amplo interesse em contribuir com as investigações, em busca da verdade, estando inteiramente à disposição das autoridades policiais para prestar quaisquer esclarecimentos que se façam necessários;
2. A PECCIN AGRO INDUSTRIAL LTDA. declara que estão confiantes de que os órgãos competentes saberão discernir a efetiva veracidade dos fatos que ora se alegam, ainda, conclama pela paciência e serenidade da sociedade para o esclarecimento dos fatos verdadeiros;
3. Por isso a PECCIN AGRO INDUSTRIAL LTDA. lamenta a divulgação precipitada de inverdades sobre o seu sistema de produção, sendo que as informações repassadas ao grande público foram no afã de justificar os motivos da operação “Carne Fraca”, modificando os fatos e comprometendo a verdade.
4. Por fim a PECCIN AGRO INDUSTRIAL LTDA., esclarece que que não tem qualquer vínculo comercial ou societário com a Peccin S/A, indústria gaúcha de doces e chocolates.

COM A PALAVRA, A DEFESA DE DANIEL GONÇALVES FILHO

O advogado criminalista Rodrigo Sanchez Rios afirma que irá se pronunciar nos autos do processo contra seu cliente.

COM A PALAVRA, ROBERTO BORBA COELHO

A defesa de Roberto Borba Coelho não foi localizada. O espaço está aberto para manifestação.