Vereador se cala ao ser o número 24 na chamada para votação da Câmara do Rio

Vereador se cala ao ser o número 24 na chamada para votação da Câmara do Rio

Marcelino D'Almeida (PP) só votou pela encampação da Linha Amarela na segunda chamada; na ocasião seu posicionamento foi registrado sob o número 47

Pepita Ortega

06 de novembro de 2019 | 16h25

Foto: Reprodução

Durante a sessão que aprovou, nesta terça, 5, a encampação da Linha Amarela – via expressa que liga as zonas norte e oeste do Rio – o vereador Marcelino D’Almeida (PP) se calou duas vezes ao ser o número 24 na chamada para votação da Câmara Municipal do Rio de Janeiro.

No jogo do bicho, o número 24 é atribuído ao veado.

Em nota, o vereador disse que exerceu sua função ‘normalmente’ e que ‘não desrespeitou ninguém’. O parlamentar pediu ainda desculpas a quem ‘se sentiu ofendido pelo fato de ter votado após a segunda chamada’. “Tenho o maior respeito pelo ser humano e não tenho preconceito com relação a diversidade sexual e de gênero”, escreveu.

Por causa de um problema nos painéis de votação da Casa Legislativa, o presidente, Jorge Felippe (MDB) pediu ao vereador Professor Rogério Rocal (PTB) para fazer votação nominal, anotando o posicionamento de cada um dos parlamentares.

Na primeira chamada para aprovação das emendas do projeto, após o vereador Major Elitusalem ter dado o 23.º voto favorável, Marcelino se calou e depois cruzou os braços (3:12:46 do vídeo).

Depois, na segunda chamada da votação, Marcelino, então 47 na chamada, se posicionou a favor das emendas – completando os 47 votos favoráveis à votação (3:14:58).

Após ouvir o ‘Sim, 47’ do vereador Professor Rogério Rocal, que registrava os posicionamentos, Marcelino chegou a fazer um sinal de agradecimento.

Durante outra votação, que tratava do projeto emendado, o vereador foi novamente chamado pelo número 24 e, mais uma vez, se calou, se debruçando sobre a mesa (3:17:04). Depois, na segunda chamada, se posicionou, sob número 47, e novamente fez o sinal de agradecimento (3:18:50).

COM A PALAVRA, MARCELINO

“Quero dizer que na data de ontem, exerci normalmente a minha função de vereador, votando na pauta do dia, que era a encampação da Linha Amarela. Em nenhum momento desrespeitei ninguém, não tive essa intenção, mas, se alguém se sentiu ofendido pelo fato de ter votado após a segunda chamada, peço que me desculpe. Enfim, tenho o maior respeito pelo ser humano e não tenho preconceito com relação a diversidade sexual e de gênero.”

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.