‘Vejo-me de volta à vida’, diz chefe da PF em São Paulo após derrotar o coronavírus

‘Vejo-me de volta à vida’, diz chefe da PF em São Paulo após derrotar o coronavírus

Depois de 15 dias internado no Sírio Libanês, golpeado pela Covid-19, delegado Lindinalvo Filho se recupera, tem alta, e se prepara para o retorno ao posto; em mensagem interna, Lindinalvo saúda todos os policiais e servidores da Superintendência da Polícia Federal e relata como foi enfrentar o poderoso inimigo: 'Deparei-me com a famosa fronteira'

Fausto Macedo e Pepita Ortega

08 de abril de 2020 | 07h51

Lindinalvo Alexandrino de Almeida Filho

Após quinze dias de intenso sofrimento e dor, golpeado pelo coronavírus, o delegado Lindinalvo Filho, superintendente da Polícia Federal em São Paulo, teve alta nesta terça, 7, do Hospital Sírio Libanês e voltou para casa. Ainda em isolamento, ele se prepara para retornar ao posto e ao que tanto preza, a atividade policial, que classifica de ‘desígnio divino’.

‘Vejo-me de volta à vida’, disse Filho, em mensagem dirigida a todos os seus pares e servidores da corporação.

“Deparei-me, de verdade, com a famosa ‘fronteira'”, relata o delegado, de 67 anos, dos quais 33 de carreira.

A saudação de Filho aos policiais é carregada de forte emoção e gratidão aos que o assistiram e aos que por ele oraram na batalha contra o inimigo traiçoeiro. “As desditas estarão sempre a nos desafiar.”

“Agradeço a Deus, às orações e vibrações positivas emanadas de vocês, meus irmãos de trincheira, de luta, e sobretudo de honra não ter perdido minha vida”.

Habituado a investigar e derrubar organizações criminosas do tráfico internacional e da corrupção, o delegado encontrou forças para superar uma doença devastadora.

O delegado destaca que a corporação é a ‘última fronteira’ com a qual conta a sociedade e diz que tem orgulho de voltar ao ‘front’ . No entanto, Lindinalvo frisa que a PF tem adotado os cuidados para cumprir suas atribuições.

“Que o Pai, assim, me conceda a glória e ventura, ao cobrar de mim a execução dos termos deste juramento, que eu esteja à frente de causas nobilíssimas, como as que professamos diuturnamente e que continuaremos a materializar”, escreveu o delegado à ‘família’ da PF em São Paulo.

LEIA A MENSAGEM DO CHEFE DA PF DE SÃO PAULO

Caríssimos colegas delegados, escrivães, peritos, agentes, papiloscopistas, administrativos, contratados, motoristas, técnicos, pessoal do apoio logístico
“Hoje, após 15 dias internado, com os piores sintomas possíveis desta pandemia, vejo-me, de volta à VIDA. Apesar de saudável fisicamente, infelizmente contraí a enfermidade. Pois bem, chegou-se a cogitar UTI e suas consequências para o trato do meu caso. Deparei-me, de verdade, com a famosa “fronteira”.
Superada esta DIFÍCIL fase, com as bênçãos de Deus, com a afinidade de médicos excepcionais, liderados por um que merecerá minha eterna gratidão, enfermeiros maravilhosos, além de apoio familiar e de amigos, retorno, com alegria incontida, à minha residência em SP.

Em bem poucos dias de isolamento, finalmente retornarei ao meu DESÍGNIO DIVINO de ser POLICIAL FEDERAL. Não poderia, pois, fazê-lo, sem RENDER HOMENAGENS À MINHA FAMÍLIA, representada, hoje, por cada integrante deste grupo e de todos os que fazem a SR/SP . Sintam-se , pois, individualmente envolvidos em um abraço fraterno e MUIIIIIIIIITO verdadeiro.

Permitam-me: “venero” MEUS IRMÃOS, com ou sem eventuais divergências profissionais e NÃO HESITARIA, de MODO ALGUM, em fazer cumprir o JURAMENTO, nos termos em que é posto, que firmei há trinta e três anos, no que concerne à minha vida- e isso com inegável ORGULHO, mas, agradeço a Deus, às orações e vibrações positivas emanadas de você, meus irmãos de trincheira, de luta, e sobretudo de HONRA, não tê-la perdido (minha vida) “em vão”- que o Pai, assim, me conceda a glória e ventura, ao cobrar de mim a execução dos termos deste juramento, que eu esteja à frente de CAUSAS NOBILÍSSIMAS, como as que professamos diuturnamente e que continuaremos a materializar.

Como reiteradamente lembrado por nosso Diretor Geral, DR VALEIXO, nosso Diretor Executivo, DR.ROSSETTI e demais diretores, somos SIM a “ÚLTIMA fronteira” com a qual conta a sociedade ( e temos adotado nossos cuidados para o atendimento de nossas atribuições). Que orgulho então voltar ao “front”. As desditas estarão sempre a nos “desafiar”. Viva a nossa PF, de onde tiramos nosso pão de cada dia, dando dignidade e sustento às nossas famílias. Deus seja louvado. SEMPRE. Muito obrigado a todos!!!!

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.