Veja a ordem do juiz da Carne Fraca para prender ex-chefe da Agricultura em Goiás

A segunda fase da Operação Carne Fraca, batizada de 'Antídoto', tem como principal alvo o ex-agente público Francisco Carlos de Assis, flagrado em grampos supostamente admitindo destruição de provas; ele já é réu acusado de integrar esquemas de corrupção envolvendo agentes públicos e empresas do setor agropecuário

Ricardo Brandt e Luiz Vassallo

31 de maio de 2017 | 15h04

O ex-superintendente regional do Ministério da Agricultura em Goiás, Francisco Carlos de Assis, principal alvo de prisão preventiva na Operação Antídoto, segunda fase da Carne Fraca, foi flagrado em grampos da Polícia Federal afirmando que ‘rasgou’ papéis e apagou conversas em aplicativos de celular. Em sentença que deflagrou a operação, nesta quarta-feira, 31, o juiz federal Marcos Josegrei da Silva, da 14ª Vara Federal, ainda dá conta de que Francisco driblou conduções coercitivas e buscas e apreensões. Segundo a Polícia Federal, foram cumpridos três mandados de busca e apreensão e um de prisão preventiva no estado de Goiás.

Documento

A Operação Carne Fraca tem como foco supostos esquemas de corrupção envolvendo funcionários do Ministério da Agricultura e empresas do setor agropecuário. Entre os alvos, estão funcionários da JBS e da BRF, duas das maiores na área de produção de alimentos.

Tudo o que sabemos sobre:

Operação Carne FracaOperação Antídoto

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.