Varredor de rua de Belém no governo ‘Dudu’ aumentou patrimônio em 6.567%, diz investigação

Varredor de rua de Belém no governo ‘Dudu’ aumentou patrimônio em 6.567%, diz investigação

Gari Célio Souza, que tinha um carro popular em 2006 e R$ 1,6 mi e 'grande quantidade de gado' em 2015, é acusado por improbidade administrativa em três de seis ações que o Ministério Público Federal no Pará ajuizou contra o ex-prefeito da capital paraense Duciomar Costa (PTB)

Julia Affonso

09 Janeiro 2018 | 05h20

A Operação Forte do Castelo, que tem como alvo maior o ex-senador e ex-prefeito de Belém Duciomar Costa (PTB), o ‘Dudu’, identificou um ‘aumento extraordinário’ de 6.567% no patrimônio de Célio Araújo de Souza, que foi gari durante um ano da gestão do ex-chefe do Executivo da capital paraense. Souza é acusado por improbidade administrativa em três de seis ações que o Ministério Público Federal no Pará ajuizou contra ‘Dudu’ – atualmente, em regime de prisão domiciliar.

“O patrimônio pessoal de Célio Souza se elevou de R$ 24 mil em 2006 para mais de R$ 1,6 milhão em 2015″, aponta a Procuradoria. “Uma multiplicação de 67 vezes no período, um aumento extraordinário de 6.567% no período. Em 2006, seu patrimônio de R$ 24 mil era formado somente um carro popular. Atualmente, Celio Souza possui um patrimônio pessoal declarado de mais de R$ 1,6 milhão, conforme se observa em sua Declaração de Imposto de Renda referente ao ano de 2015.”

Documento

Duciomar ‘Dudu’ foi senador entre 2002 e 2004 e prefeito de Belém entre 2005 e 2012.

Mulher do ex-prefeito de Belém aumentou patrimônio em 200 vezes, diz Procuradoria

+ Grupo que desviou R$ 400 milhões não tinha capacidade financeira, diz PF

A PF e a Procuradoria suspeitam que ‘Dudu’ comandava organização criminosa que teria desviado R$ 400 milhões dos cofres públicos por meio de fraudes a licitações durante sua gestão na capital paraense, entre 2005 e 2012, nas secretarias de Comunicação, Habitação e Urbanismo.

Segundo o Ministério Público Federal, no Pará, Célio Souza está ligado a quatro empresas. Entre 2007 e 2009, ele foi um dos controladores da Metrópole Construção e Serviços de Limpeza.

No mesmo período, esteve à frente da SBC Sistema Brasileiro de Construção. Atualmente é responsável pela Prestibel Construções e pela ST – Sistema e Transporte. Todas as empresas estão na mira da Forte do Castelo.

A investigação aponta que no mesmo período em que estava ligado às empresas, Souza tinha outras ocupações. De 2007 a 2011, atuou como varredor de rua, auxiliar de escritório, coletor de lixo domiciliar e ajustador ferramenteiro.

“Muito embora aparente ter relevante trajetória profissional, Celio Souza figura em seu histórico profissional com profissões de rendimentos modestos, como varredor de rua e coletor de lixo”, registra a Procuradoria.

A Operação Forte do Castelo identificou que a empresa SBC, da qual Souza foi sócio, firmou contratos com a Prefeitura da capital paraense no montante total de R$ 288 milhões, entre 2009 e 2011. A SBC também é controlada por Elaine Baia Pereira, mulher de ‘Dudu’.

“De acordo com o Diário Oficial do Município de Belém, este publicado no dia 04 de março de 2008, Célio Souza foi admitido, a título precário, para o cargo de agente de serviços urbanos na Secretaria Municipal de Meio Ambiente da Prefeitura Municipal de Belém, a partir de 2 de janeiro de 2008 até 31 dezembro de 2008, mesmo período em que figurava como sócio das empresas Metrópole Construção e Serviços de Limpeza Ltda e da Varanda Sistemas de Habitação Ltda (posteriormente alterada para SBC Sistema Brasileiro de Construção Ltda)”, anotam os procuradores Alan Rogério Mansur Silva e Ubiratan Cazetta.

A Procuradoria destacou ainda ‘a grande quantidade de gado’ registrada no Imposto de Renda de Célio Souza em contraposição à ‘ausência de imóveis rurais nessa mesma declaração’.

“Ou seja, Celio Souza declara possuir gado em grande quantidade, muito embora não declare ter qualquer imóvel onde possa abrigá-lo. Isso por si só não se trata de irregularidade, mas cabe relembrar que Celio Souza consta no Cadastro Ambiental Rural da Semas/PA como proprietário da Fazenda Tangará de real propriedade declarada por Duciomar Costa”, assinalam os procuradores.

COM A PALAVRA, CÉLIO SOUZA

A reportagem não localizou Célio Souza. O espaço está aberto para manifestação.

COM A PALAVRA, ‘DUDU’

A reportagem entrou em contato com a defesa de Duciomar Costa ‘Dudu’. O espaço está aberto para manifestação.

Mais conteúdo sobre:

BelémDuciomar Costa