‘Vai tomar um chumbão legal agora’, diz ‘juiz dos ingleses’ ao anunciar ofensiva contra advogados que se recusaram a pagar propina por sentença

‘Vai tomar um chumbão legal agora’, diz ‘juiz dos ingleses’ ao anunciar ofensiva contra advogados que se recusaram a pagar propina por sentença

Diálogos de Leonardo Safi de Melo, da 21ª Vara Cível Federal, foram obtidos pelo Ministério Público Federal e incluídos em denúncia por corrupção, peculato, lavagem de dinheiro e organização criminosa

Rayssa Motta

05 de agosto de 2020 | 12h00

O juiz Leonardo Safi de Melo, investigado na Operação Westminster e denunciado pelo MPF. Foto: Reprodução

Além de comandar uma organização que cobrava propinas para expedir sentenças, o juiz Leonardo Safi de Melo, da 21ª Vara Cível Federal, impunha retaliações àqueles que eram procurados pelo grupo, mas se recusavam a fazer os pagamentos. O magistrado, que chegou a ser preso na Operação Westminster e agora está em liberdade monitorada, foi denunciado pelo Ministério Público Federal nesta segunda, 3.

Documento

Segundo a Procuradoria, o juiz escolhia processos milionários, usava intermediários para se aproximar de uma das partes da ação e pedia uma ‘comissão’ para expedir precatórios.

No documento de 179 páginas, o Ministério Público Federal traz detalhes do suposto esquema, relevado à Polícia Federal por dois advogados que alegam ter sido coagidos pela organização criminosa. Orientados pelos investigadores, eles chegaram a participar de ações controladas, incluindo encontros gravados, como estratégia para colher provas e expor o modus operandi do grupo.

Em determinado momento das negociações, sobre um processo de desapropriação de imóveis rurais pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) que se arrasta há décadas, o juiz e o diretor da Vara, Divannir Ribeiro Barile, apontado com seu braço direito no esquema, percebem que os advogados não vão pagar a propina cobrada. Em uma conversa por telefone, interceptada pelos investigadores, os dois discutem estratégias para uma ofensiva jurídica que prejudique o processo (leia abaixo o diálogo).

Além do juiz e do diretor, o Ministério Público Federal denunciou o perito Tadeu Rodrigues Jordan que, segundo os investigadores, era escalado para analisar processos e tinha parte da remuneração desviada, e as advogadas Deise Mendroni de Menezes e Clarice Mendroni Cavalieri, que ajudariam a lavar o dinheiro através da simulação de contratos de prestação de serviços. Se o caso for aceito pela Justiça, o magistrado responderá por corrupção passiva, peculato, lavagem de dinheiro e organização criminosa.

Os promotores apontaram ainda pelos menos outros 18 casos em que foram encontrados indícios da atuação do grupo criminoso. Por isso, o Ministério Público Federal pediu à Justiça que autorizasse abertura de inquéritos para apurar cada um deles.

COM A PALAVRA, A DEFESA DO JUIZ LEONARDO SAFI DE MELLO
O advogado Leonardo Massud, que defende o juiz Leonardo Safi de Melo, informou que vai se manifestar sobre a denúncia quando seu cliente for notificado oficialmente.

COM A PALAVRA, OS CRIMINALISTAS RUBENS DE OLIVEIRA E RODRIGO CARNEIRO MAIA, DEFENSORES DE DEISE MENDRONI DE OLIVEIRA
“Trata se de denúncia recente, o qual esta defesa técnica ainda não teve conhecimento, bem como ainda não foi alvo de recepção pelo E. TRF-3”

COM A PALAVRA, OS DEMAIS DENUNCIADOS
A reportagem busca contato com os demais denunciados. O espaço está aberto a manifestações (rayssa.motta@estadao.com).

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: