Vacinação em massa: por que ficamos para trás?

Vacinação em massa: por que ficamos para trás?

André Frota*

14 de dezembro de 2020 | 06h30

André Frota. FOTO: DIVULGAÇÃO

No dia 8 de dezembro de 2020, a britânica Margaret Keenan, uma senhora de noventa anos recebeu a primeira dose da vacina Pfizer/BioNTech em um hospital em Coventry, na região central da Inglaterra. A fotografia do início do programa de vacinação em massa, executado de forma pioneira pelo Reino Unido, circulou pelo planeta.

Muitos têm se perguntado como e porque o Reino Unido venceu a corrida ocidental pela vacinação em massa. A resposta precisa será reservada à história. No entanto, certos eventos são administrativamente muito relevantes para serem deixados de lado. Em primeiro lugar, é preciso considerar que a vacina é produzida pela farmacêutica norte-americana Pfizer e a empresa alemã de Biotecnologia BioNTech, em uma parceria entre EUA e Alemanha. Mesmo assim, nenhum desses países iniciou seu programa de vacinação ainda.

O Reino Unido veio à frente. Por óbvio, não se trata de um problema de produção da vacina, uma vez que os laboratórios da Pfizer/BioNTech possuem unidades de produção tanto nos EUA, quanto na Europa. Inclusive, incorporaram novas unidades na Suíça e na Bélgica, prevendo uma crescente demanda internacional.

O que ocorreu foi a agilidade da Agência Regulatória de Produtos Medicinais e de Saúde (MHRA), uma equivalente à ANVISA para o Reino Unido. Já em outubro, a MHRA iniciou o processo de revisão dos dados de testagem apresentados pela Pfizer/BioNTech e que resultou no anúncio de sua aprovação em 02 de dezembro. Seis dias após este anúncio, no dia 08 de dezembro, Margaret Keenan foi vacinada em Coventry. O Reino Unido já tinha quarenta milhões de doses e um plano nacional de imunização pronto para serem implementados.

A agência europeia European Medicines Agency (EMA), equivalente à MHRA para os europeus, iniciou o processo de análise dos dados Pfizer/BioNTech em outubro, no entanto, só irá divulgar os resultados no dia 29 de dezembro. Só após essa autorização, a comissão europeia irá se reunir e deliberar para autorização do programa de vacinação em toda União Europeia. Já a agência reguladora norte americana, US Food and Drug Administration (FDA), deve divulgar os dados no dia 10 de dezembro e o programa de vacinação norte-americano deve iniciar no final deste mesmo mês.

O que se pode deduzir da vitória britânica na corrida ocidental pela vacinação em massa? Em primeiro lugar, as apostas feitas em relação às vacinas que estavam sendo produzidas não se restringiram apenas a uma vacina. Nem mesmo a vacina de Oxford foi colocada em primeiro plano. Em segundo lugar, um plano nacional de vacinação já estava montado para ser implementado no Reino Unido. Em terceiro lugar, a infraestrutura de armazenamento e distribuição detinha as condições prévias para execução do plano de vacinação em massa.

E o Brasil?

A euforia, a cobrança e a necessidade humanitária para que um programa de vacinação seja implementado em cada município no Brasil tornou-se imprescindível. A pergunta que a população brasileira está se fazendo é: por que a morosidade na elaboração e execução do programa brasileiro?

Uma aposta contratual com a vacina de Oxford, que apresentou problemas nas etapas finais da testagem, atrasou o processo. Ainda, temos a disputa que se estabeleceu entre o governo do estado de São Paulo e o governo federal em relação à vacina chinesa Coronavac. Some-se a isso a inexistência de um plano nacional de vacinação já desenvolvido em coordenação com estados e municípios.

Em síntese, a corrida pela vacinação passa, em primeiro lugar, pelo grau de sintonia política entre as unidades da federação. Em segundo lugar, pela capacidade de prever cenários e estabelecer apostas contratuais em produtos que tenham maior chance de serem disponibilizados para a população brasileira, sem amarras ideológicas. Em terceiro lugar, pela capacidade operacional que depende de anos de investimento em infraestrutura e logística. Nessa corrida, as decisões do presente e as decisões do passado, deixaram os brasileiros no final da fila.

*André Frota é professor de Relações Internacionais e Geociências no Centro Universitário Internacional Uninter

Notícias relacionadas

Tudo o que sabemos sobre:

Artigo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.