Vacinação contra covid-19 é uma realidade ou palanque eleitoral?

Vacinação contra covid-19 é uma realidade ou palanque eleitoral?

Cléssius Rodrigo Sousa Gomes*

31 de dezembro de 2020 | 13h00

Cléssius Rodrigo Sousa Gomes. FOTO: ARQUIVO PESSOAL

É triste e chega a ser vergonhoso o conflito de interesses exposto entre o Presidente da República e o Governador de São Paulo.

Um defendendo o início da vacinação em massa no próximo mês de janeiro falando aos quatro ventos para quem quiser se vacinar é só ir ao Estado de São Paulo para obtenção de tal benefício. Apenas esqueceu de saber se a vacina adquirida pelo Governo Paulista receberá a certificação e aprovação necessária do órgão regulador ou ANVISA para que a população, enfim, possa tomar a tão sonhada vacina contra a COVID-19.

O outro não se sabe se por ideologia política ou meramente birra contra o Governador que tanto o critica não admite e faz movimento contrário a imunização da população com a vacina adquirida pelo Governo de São Paulo ressaltando a necessidade de assinatura de um termo de responsabilidade onde a pessoa que está tomando a dose da vacina assume quaisquer riscos inerentes a complicações que podem vir a ter em decorrência da mesma.

É ridículo que em plena pandemia, onde foram ceifadas mais de 180.000 vidas somente no Brasil, a população ainda tenha que passar por tais descalabros.

O que se sabe é que em países desenvolvidos, tais como: Reino Unido, Canadá, Estados Unidos, China e Rússia já foram iniciadas as imunizações da população.

Será que é o mau dos políticos do terceiro mundo cuidarem primeiro dos próprios interesses a lembrarem daqueles que os elegem?

Em noticiário pretérito foi ventilado que o Brasil não teria condições de vacinar a população, pois não possuía seringas suficientes. Se não fosse trágico, seria cômico….

Tem vacina, mas não tem seringas? Como se chama isso? Falta de planejamento ou de gestão pública?

Será que tal disputa entre o Presidente da República e o atual Governador de São Paulo vislumbra tão somente as eleições que estão por vir em 2022?

O que se tem observado é que o Supremo Tribunal Federal foi instado a se pronunciar sobre tal questão, ou melhor, foi necessária a manifestação da Suprema Corte ante a omissão do Governo Federal sobre apresentação de um planejamento ou plano de vacinação da população para que todo esse imbróglio se dissipasse.

Parafraseando o ex-Presidente da República Fernando Henrique Cardoso, Data Vênia, no tocante a sua fala na semana passada sobre a celeuma das vacinas onde o mesmo disse o seguinte: “Governantes têm verdades absolutas, acho perigoso” o que se pode acrescentar é que além de perigoso é extremamente indecoroso.

É triste saber que muitas vidas ainda serão tiradas e muitas famílias chorarão pela perda de entes queridos por conta da pandemia e de governantes incrédulos que teimam em difundir que a COVID-19 já está acabando e que a população não precisa ter pressa para se vacinar.

Vale ressaltar, noutro diapasão, que para a economia do País possa voltar a crescer, faz-se necessária a imunização urgente da população. Obviamente, tem-se que tomar os cuidados necessários quanto as aprovações das vacinas ofertadas no mercado mundial pelos órgãos competentes.

Isso trará a todos o benefício de mais segurança em retomar suas atividades diárias, assim como a possibilidade de “voltar a viver” e ter mais próximo aqueles que amam, como exemplo, pais, avôs, filhos, amigos, dentre outros.

Com o distanciamento social, quarentena, etc., o que se tem visto é uma enxurrada de pessoas desempregadas e um crescente número de empresas indo à bancarrota por conta dessa pandemia onde o receio por um aumento nos casos de pessoas contaminadas pela COVID-19 traz a insegurança de continuarem trabalhando em períodos reduzidos ou até mesmo sendo necessário o fechamento de seus estabelecimentos acarretando mais prejuízos, quiçá a própria falência.

Por fim, o notório é que muitos anseiam e tem pressa pela liberação das vacinas contra a COVID-19 seja do laboratório A, B ou C não importando o partido político que vai oferecer…

*Cléssius Rodrigo Sousa Gomes, advogado com LLM em Direito Corporativo pela FGV-RJ e especialista em Direito Imobiliário pela Universidade de Fortaleza/CE – UNIFOR. Membro associado ao IBRADIM (Instituto Brasileiro de Direito Imobiliário), participante da Comissão de Direito Imobiliário da OAB/CE e integrante da Comissão de Direito Condominial da OAB/CE

Tudo o que sabemos sobre:

Artigo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.