Vaccari não falará em depoimento sobre investigação de Lula, diz defesa

Vaccari não falará em depoimento sobre investigação de Lula, diz defesa

Ministério Público de São Paulo quer ouvir ex-tesoureiro e ex-presidente da Cooperativa Habitacional dos Bancários de São Paulo (Bancoop) em investigação envolvendo cotas de empreendimento adquirido pela mulher do ex-presidente

Mateus Coutinho e Fausto Macedo

19 de fevereiro de 2016 | 12h01

João Vaccari Neto chega a seu interrogatório na Lava Jato. Foto: Paulo Lisboa/Brazil Photo Press

João Vaccari Neto. Foto: Paulo Lisboa/Brazil Photo Press

A defesa do ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto, condenado por corrupção na Lava Jato, informou à Justiça Federal no Paraná que vai ficar em silêncio caso tenha que depor no inquérito que investiga a suspeita de ocultação de patrimônio do ex-presidente Lula e sua mulher, Marisa Letícia,envolvendo um tríplex no Guarujá, cidade do litoral paulista.

Como está preso em Curitiba por ordem do juiz Sérgio Moro, da Operaão Lava Jato, o Ministério Público de São Paulo precisa solicitar ao magistrado autorização para tomar seu depoimento.

A audiência, que seria realizada no Ministério Público do Paraná,já estava marcada para o próximo dia 24, mas foi suspensa após um recurso do deputado petista Paulo Teixeira contra o promotor paulista Cássio Conserino, responsável pelo caso, ser acatado pelo Conselho Nacional do Ministério Público, suspendendo os atos da investigação – inclusive os depoimentos do ex-presidente Lula e da ex-primeira dama, marcados para a última terça, 16.

[veja_tambem]

Na petição encaminhada a Moro, a defesa do petista pede que o depoimento não seja realizado para evitar os custos de deslocamento de Vaccari, que como está preso precisa ser escoltado pela polícia, já que o ex-tesoureiro adiantou que vai ficar em silêncio.

Vaccari presidiu a Cooperativa Habitacional dos Bancários de São Paulo (Bancoop) de 2004 a 2010, período em que a esposa de Lula, Marisa Letícia, adquiriu cotas do empreendimento da Bancoop no Guarujá. A cooperativa, contudo, se tornou insolvente e em 2009 o empreendimento foi repassado para a empreiteira OAS. Além disso, o petista também é réu na Justiça Federal de São Paulo no processo que aponta desvio de R$ 70 milhões dos cofres da Bancoop durante sua administração.

Segundo divulgou o Instituto Lula, com a transferência para a empresa a esposa do ex-presidente parou de receber os boletos da cooperativa e não aderiu ao contrato com a nova incorporadora, e a família decidiu abrir mão do apartamento e receber de volta o valor que eles investiram.

Na próxima terça-feira, 23, o plenário do CNMP vai analisar a liminar do conselheiro Valter Shuenquener que acatou parcialmente o pedido de Paulo Teixeira e suspendeu os depoimentos da investigação. Os promotores responsáveis pela investigação também afirmaram que vão recorrer da decisão do conselheiro.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: