Vaccari fez sequência de visitas à cúpula da Andrade Gutierrez

Ex-tesoureiro do PT foi recebido pelo menos 17 vezes pelo empresário Otávio Marques e pelo executivo Flávio Barra; os três são alvos da Operação Lava Jato e estão presos por suspeita de corrupção e lavagem de dinheiro

Redação

28 de julho de 2015 | 22h54

Por Julia Affonso, Mateus Coutinho e Fausto Macedo

Vaccari. Foto: Luis Macedo/Câmara dos Deputados

Vaccari. Foto: Luis Macedo/Câmara dos Deputados

No rastro dos passos de João Vaccari Neto, a Polícia Federal descobriu que o ex-tesoureiro do PT fez pelo menos 17 visitas ao presidente da Andrade Gutierrez, empreiteira sob suspeita de ter integrado cartel para fraudes em licitações na Petrobrás e na Eletronuclear.

A PF entregou à Procuradoria da República relatório com uma planilha que indica os períodos dos encontros do ex-tesoureiro – preso na Operação Lava Jato desde fevereiro de 2015-, com o empresário Otávio de Azevedo Marques, que também encontra-se na prisão em Curitiba desde em 19 de junho.

Os registros na recepção do prédio-sede da empreiteira, no Brooklin Novo, em São Paulo, indicam, na avaliação dos investigadores, uma proximidade de Vaccari com a cúpula da Andrade Gutierrez.

O petista também foi recebido pelo executivo Flávio David Barra, presidente Global da Andrade Gutierrez Energia e capturado pela Polícia Federal na manhã desta terça-feira, 28, por suspeita de pagamento de propinas para o almirante Othon Luiz Pinheiro da Silva, presidente licenciado da Eletronuclear.

Vaccari esteve na sede da Andrade Gutierrez entre 2007 e 2014.

O levantamento da PF mostra que também foram recebidos pela cúpula da empreiteira outros protagonistas da Lava Jato – Rafael Ângulo Lopez, apontado como carregador de malas de dinheiro do doleiro Alberto Youssef, o lobista Fernando Falcão Soares, o Fernando Baiano – suposto operador de propinas do PMDB na Petrobrás -, e o próprio Youssef, este ao menos dez vezes.

A Andrade Gutierrez informou que “está acompanhando a 16.ª fase da Operação Lava Jato e destaca que sempre esteve à disposição da Justiça”. Seus advogados estão analisando os termos da ação da Polícia Federal para se pronunciar.

COM A PALAVRA, O CRIMINALISTA LUIZ FLÁVIO BORGES D’URSO, QUE DEFENDE JOÃO VACCARI NETO

“Na verdade eu não tenho conhecimento oficial sobre o tema. Se realmente essas visitas ocorreram, nada de estranho a princípio, uma vez que era atribuição do João Vaccari Neto, enquanto tesoureiro do PT, fazer visitas a pessoas físicas e jurídicas solicitando doações legais para o partido. E, quando essas doações ocorriam, eram depositadas na conta corrente do partido, contra recibo, que prestava contas às autoridades. Portanto, nada de irregular nessas visitas.”

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.