Vaccari diz que R$ 583 mil na conta da mulher teve origem em seus salários

Vaccari diz que R$ 583 mil na conta da mulher teve origem em seus salários

Defesa de ex-tesoureiro do PT informou à Justiça Federal que entre 2008 e 2014 ele teve renda bruta de R$ 3,4 milhões e transferiu parte para Giselda Rousie porque ela administra o orçamento doméstico

Redação

25 Maio 2015 | 20h06

Vaccari foi preso nesta terça-feira. Foto: Geraldo Bubniak/AGB

Vaccari. Foto: Geraldo Bubniak/AGB

Por Ricardo Brandt, enviado especial a Curitiba, Julia Affonso e Fausto Macedo

O ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto alegou que os R$ 583 mil que passaram em dinheiro vivo pela conta da sua mulher, Giselda Rousie de Lima, entre 2008 e 2014, tiveram origem em seus vencimentos e estão declarados no Imposto de Renda. Segundo ele, o valor é compatível com a renda bruta de R$ 3,4 milhões que teve no período.

Constituído por Vaccari, o criminalista Luiz Flávio Borges D’Urso apresentou à Justiça Federal no Paraná, base da Operação Lava Jato, as respostas ao questionamento do juiz federal Sérgio Moro, que conduz os processos sobre o esquema de corrupção na Petrobrás, ante pedido de reconsideração da prisão preventiva do ex-tesoureiro do PT.
Pesa contra Vaccari a acusação de ser operador de propina em nome do PT no esquema de corrupção na Petrobrás, alvo da Lava Jato. Já réu em um processo criminal, o ex-tesoureiro é acusado de usar a mulher e a cunhada, Marice Correa de Lima, para ocultar patrimônio supostamente ilícito.

Moro pediu esclarecimentos sobre os depósitos em dinheiro no total de R$ 583.400,00 na conta de Giselda. Do montante total, segundo o Ministério Público Federal, R$322.900,00 passaram pela conta de Giselda em depósitos em dinheiro abaixo de R$10 mil e, R$206.500,00, em depósitos em dinheiro acima de R$10 mil. Para os procuradores da força tarefa da Operação Lava essa movimentação provocou suspeitas sobre a origem dos valores.

Segundo Luiz Flávio Borges D’Urso, “em razão da própria atividade profissional de Vaccari, que inclusive sempre demandou inúmeras viagens pelo país, é Giselda, sua esposa, quem administra as finanças domésticas e, para tanto, ele lhe repassava os valores necessários, não tendo grande movimentação bancária, face a entrega de seu dinheiro para que a mulher o gerisse, depositando-o em sua conta”.

“Os valores brutos recebidos de salário pelo acusado, durante o mesmo período mencionado pelo Ministério Público Federal de 2008 a 2014, demonstrando que recebeu recursos suficientes para justificar os R$583.400,00 depositados na conta de sua esposa, pois no período desses 7 anos auferiu renda bruta no valor total de R$3.476.387,50”, informa o advogado Luiz Flávio Borges D’Urso.

“Todos os valores depositados na conta de Giselda Rousie de Lima são provenientes, quase que em sua totalidade, dos salários de seu marido Vaccari e que tais valores são sacados da conta do requerente e transferidos para a conta de sua mulher Giselda, restando uma pequena parte que provém de sua (Giselda) aposentadoria, além de sua atividade como psicóloga”, registra o defensor, em documento anexado nesta segunda-feira, 25, aos autos da Lava Jato.

Vaccari declarou como origem dos pagamentos ao longo dos sete anos Itaipu (em que era conselheiro), os salários como dirigente da Bancoop (cooperativa habitacional do Sindicato dos Bancários de São Paulo), duas aposentadorias e o PT. Ex-tesoureiro nacional do partido de 2010 a 2015 ele declarou o recebimento de R$ 66,5 mil do PT em 2014.

“Importante frisar que as informações acima foram obtidas pelas declarações de Imposto de Renda anteriormente juntadas no pedido de reconsideração de vossa decisão, podendo ser confirmadas agora, também, pelos informes de rendimento referentes ao período de 2008 a 2014.”

A defesa de Vaccari apresentou planilhas, informes de rendimento, informações do banco Itaú, bem como cópias dos extratos bancários para provar o que diz.

Nos valores considerados de origem suspeita pela força-tarefa da Lava Jato, R$ 322,9 mil são em depósitos em dinheiro abaixo de R$ 10 mil e outros R$ 206,5 mil em depósitos em dinheiro acima de R$ 10 mil.

Vaccari explicou no documento que em “razão da própria atividade profissional” ele “sempre demandou inúmeras viagens pelo País”. Ele explicou que Giselda, sua mulher, é quem administra as ‘finanças domésticas’.

“Percebe-se que invariavelmente sempre que há um depósito na conta de sua esposa, este é precedido por um saque na conta do acusado, demonstrando a coincidência das movimentações”, assinala D’Urso.

Vaccari está preso até esta segunda-feira na Custódia da Superintendência da Polícia Federal, em Curitiba. Ele será transferido na manhã desta terça-feira, 26, para o Complexo Médico-Penal, em Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba.