Vaccari chama para sua defesa relator da CPI da Petrobrás e líder do PT

Vaccari chama para sua defesa relator da CPI da Petrobrás e líder do PT

Além dos deputados Luiz Sérgio e Sibá Machado, ex-tesoureiro do PT indica ex-ministro da Justiça Tarso Genro, mas juiz da Lava Jato manda defesa esclarecer 'se as testemunhas teriam algum conhecimento sobre os fatos delitivos'

Redação

08 de maio de 2015 | 09h40

Da esquerda para a direita: Sibá Machado, Tarso Genro e Luiz Sérgio. Foto: Agência Câmara e Estadão

Da esquerda para a direita: Sibá Machado, Tarso Genro e Luiz Sérgio. Fotos: Agência Câmara e Estadão

Por  Fausto Macedo, Ricardo Brandt e Mateus Coutinho

O ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto, preso na Operação Lava Jato, arrolou como testemunhas de defesa o líder do partido na Câmara, Sibá Machado (PT/AC), o ex-ministro da Justiça e ex-governador do Rio Grande do Sul, Tarso Genro, e o relator da CPI da Petrobrás, deputado Luiz Sérgio (PT/RJ).

Os nomes dos políticos foram indicados na defesa que Vaccari apresentou à Justiça Federal no Paraná, nos autos do processo em que é acusado por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. A defesa apontou oito testemunhas, entre as quais os três políticos.

A estratégia, porém, esbarrou em uma exigência do juiz Sérgio Moro, que conduz a Lava Jato. Ele mandou intimar a defesa de Vaccari para que esclareça, em cinco dias, “se as testemunhas de fato teriam algum conhecimento sobre os fatos delitivos ou se poderiam contribuir de forma relevante para o esclarecimento da verdade”.

Vaccari depôs coercitivamente em fevereiro na sede da PF em São Paulo. Foto: Felipe Rau/ Estadão - 05/02/2015

Vaccari prestou depoimento em fevereiro na sede da PF em São Paulo. Foto: Felipe Rau/ Estadão – 05/02/2015

Moro quer saber os motivos de a defesa arrolar os dois deputados e o ex-ministro da Justiça. “A oitiva de agentes públicos como deputados e governadores é sempre demorada e difícil. Além disso, tais agentes públicos servem a comunidade e não se afigura correto dispender o seu tempo, além do desse Juízo, ouvindo-os sem que haja real necessidade.”

Para Moro “há a possibilidade de que tais testemunhas tenham sido arroladas apenas com propósitos meramente abonatórios, o que não seria justificável pois testemunha é quem sabe fatos relevantes para o julgamento, ou seja, deve ter conhecimento sobre fatos que são objeto da imputação”.

O juiz da Lava Jato adverte que “deve-se prevenir a eventual utilização do processo judicial como forma de gerar constrangimento desnecessário a agentes públicos, o que é sempre uma possibilidade, especialmente em casos rumorosos”.

“Não se trata aqui de exigir que a defesa adiante sua tese, mas pelo menos, a fim de não comprometer o tempo útil deste Juízo e das referidas autoridades públicas, que pelo menos esclareça se elas têm ou não conhecimento relevantes sobre os fatos que constituem o objeto da imputação”, assinala o juiz Sérgio Moro.

__________________________________________

VEJA TAMBÉM:

Executivo diz que contrato de Odebrecht no Comperj teve ameaça de doleiro

Vaccari diz que doação para irmão é ‘fruto de trabalho’

Aqui são cordeirinhos, lá eram lobos maus, diz empreiteiro

‘O interrogado aqui é o senhor’, diz Moro a ex-diretor da Petrobrás

Ex-deputada diz que ‘não conhece’ empresa citada na Lava Jato

___________________________________________

Tudo o que sabemos sobre:

João Vaccari Netooperação Lava Jato