‘Urna eletrônica funciona’, afirma Raquel

‘Urna eletrônica funciona’, afirma Raquel

Durante processo de verificação dos sistemas de votação, procuradora-geral da República disse que 'não é fácil atingir o ponto de credibilidade que a Justiça Eleitoral brasileira alcançou'

Redação

06 Outubro 2018 | 17h34

Raquel Dodge. Foto: André Dusek/Estadão

A procuradora-geral Raquel Dodge disse neste sábado, 6, que ‘não é fácil atingir o ponto de credibilidade que a Justiça Eleitoral brasileira alcançou’. Durante o processo de verificação dos sistemas de votação, na sede do Tribunal Superior Eleitoral, onde foram conferidas a autenticidade e a integridade de quatro softwares utilizados no recebimento dos arquivos das urnas eletrônicas e a inserção dos dados no sistema de totalização da Corte, Raquel disse que ‘a urna eletrônica funciona’.

Raquel acumula os cargos de procuradora-geral da República e procuradora-geral Eleitoral. Ela defendeu enfaticamente a segurança de todo o processo eleitoral. “(A urna eletrônica) está habilitada a contar adequadamente a vontade do eleitor.”

Neste domingo, 7, mais de 147 milhões de brasileiros estão habilitados a votar.

A segurança do sistema eletrônico de votação também foi mencionada pela ministra Rosa Weber. “Temos um sistema ágil, seguro e auditável. A população pode ter certeza que o resultado que será divulgado será a exata manifestação apresentada na urna”, afirmou Rosa, durante visita ao comitê de imprensa montado no TSE.