Uma terceira via é imprescindível para 2022

Uma terceira via é imprescindível para 2022

Cássio Faeddo*

14 de março de 2021 | 16h40

Cássio Faeddo. FOTO: DIVULGAÇÃO

A provável anulação dos processos da 13ª Vara Federal de Curitiba, seja pelo caminho da suspeição, ou pela decisão tardia e impressionante da incompetência territorial, joga novamente o Brasil no caminho da extrema polarização política.

Sobre Bolsonaro, muito já foi dito por tantos, que não é necessário traçar mais uma nova linha redundante sobre sua inépcia para a importante missão de um presidente da República.

Lula e o PT, desperdiçaram 13 anos de forte crescimento da China, e por consequência, da exportação de commodities brasileiras para tentarmos inaugurar o capitalismo por aqui. Porque o que temos aqui não é mercado, mas um país basicamente agrário e que perdeu o trem da industrialização.

Se hoje o Brasil conta com o aparelhamento do Estado com milhares de militares à lá Venezuela, no lulopetismo contou com o aparelhamento e inchaço do Estado por correligionários.

E o PT sucumbiu, ao que Michael Ross descreveu muito bem na obra a Maldição do Petróleo, livro no qual relaciona a corrupção política e econômica a exploração do petróleo em países com instituições fracas e lenientes.

Petróleo gera contratos de grande monta para obras e instalações; sendo assim, a corrupção de grupos políticos e a tentação de eternização no poder por estes grupos seria consequência imediata.

A cada contrato firmado para uma grande obra na infraestrutura petroleira, vários nacos são abocanhados no caminho. Uma boa parte desses nacos vai para o grupo político no poder, e para as mais diversas despesas, de campanha ou não. É um círculo vicioso.

Gostaríamos, sem dúvida, que a Justiça funcionasse igual para todos, e que os direitos e recursos servissem para todos os cidadãos brasileiros. Porém, parece que há uma Justiça muito especial nesse país, uma Justiça feita especialmente para políticos.

Noticiou-se que até 2019 a Lava Jato tinha repatriado mais de 4 bilhões de reais roubados da Petrobrás nas mais diversas ações da Justiça. É cínico acreditar que esse dinheiro deva ser comparado com a perda de valor de mercado e de empregos provenientes do estardalhaço da investigação.

Querer fazer acreditarmos que a culpa pelos prejuízos causados é de quem investiga e não dos corruptos é um verdadeiro absurdo. A guerra midiática dos dois lados foi absurda e a Lava Jato sucumbiu ao final.

Precisamos virar essa página da história brasileira; já é hora das verdadeiras pessoas de bem colocarem fim ao espetáculo dantesco da corrupção, de extremistas amalucados e de políticos que acreditam serem mais importantes do que o povo brasileiro.

Para isso, precisaremos de alguma forma, contar com uma única terceira via entre a polarização que será promovida entre Bolsonaro e o Lulopetismo. Não é possível esperar, essa necessidade se faz imediata, pois a candidatura de Bolsonaro começo nas redes muito antes de 2020. É preciso cautela e atenção.

*Cássio Faeddo, advogado, mestre em Direitos Fundamentais, MBA em Relações Internacionais – FGV/SP

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.