Um pen drive com músicas e filmes na cela de Dirceu e Argôlo

Um pen drive com músicas e filmes na cela de Dirceu e Argôlo

Agentes do Complexo Médico Penal de Pinhais, a prisão da Lava Jato, encontraram ainda dois carregadores com ex-ministro da Casa Civil (Governo Lula) e o ex-deputado que pegaram gancho de 20 dias sem visitas; há suspeita de que o ex-senador Gim Argello também estaria de posse de um pen drive

Julia Affonso, Mateus Coutinho e Fausto Macedo

15 Agosto 2016 | 18h18

O ex-ministro José Dirceu durante interrogatório do juiz Sérgio Moro

O ex-ministro José Dirceu durante interrogatório do juiz Sérgio Moro

Agentes penitenciários encontraram um pen drive e dois carregadores durante varredura de rotina na cela ocupada pelo ex-ministro-chefe da Casa Civil José Dirceu (Governo Lula) e pelo ex-deputado Luiz Argôlo na prisão da Lava Jato, nos arredores de Curitiba. Há suspeita de que o ex-senador Gim Argello, que também está preso, também teria em seu poder um pen drive.

A vistoria ocorreu no dia 1.º de agosto. Como nem Dirceu nem Argôlo – ambos condenados por corrupção, lavagem de dinheiro e associação criminosa – assumiram a propriedade do material, o Conselho Disciplinar do Complexo Médico Penal de Pinhais aplicou a ambos ‘falta média’.

Na prática, eles vão ficar vinte dias sem visitas – exceto seus advogados. A vistoria ocorreu na quinta galeria e na sexta – são seis galerias no Complexo. A sexta galeria abriga todos os réus da Lava Jato.
Dirceu e Argôlo ocupam uma cela.

Os agentes penitenciários acharam duas sacolinhas plásticas na cela dos condenados. Nelas estavam o pen drive e os dois carregadores.}

No pen drive só havia arquivos com filmes e músicas. Nenhum documento da Lava Jato.

O Conselho Disciplinar do Complexo Médico Penal advertiu Dirceu e Argôlo que se houver nova falta média eles serão punidos por ‘falta grave’, o que vai retardar a progressão do regime penal em que se encontram.

Mais conteúdo sobre:

operação Lava Jato