Um museu especial para celebrar nosso maior patrimônio

Um museu especial para celebrar nosso maior patrimônio

Julio Serson, Sérgio Sá Leitão e Paulo Jorge Nascimento*

29 de julho de 2021 | 05h30

Julio Serson, Sérgio Sá Leitão e Paulo Jorge Nascimento. FOTOS: DIVULGAÇÃO

Inovador em essência, o novo Museu da Língua Portuguesa, que será aberto ao público em breve, traz para o panorama cultural brasileiro um surpreendente ambiente imersivo e tecnológico de valorização do nosso maior patrimônio cultural, a língua portuguesa, com destaque para sua diversidade e sua evolução. Mais do que a reforma e o restauro, o que houve no icônico espaço da Estação da Luz foi uma transformação. Trata-se de uma experiência ainda melhor e mais impactante do que a proporcionada anteriormente, antes do incêndio de 2015.

Além de conteúdos inéditos e novas áreas, da acessibilidade plena, da certificação ambiental e do mais avançado sistema de prevenção de incêndio em instituições culturais da América Latina, o Museu da Língua Portuguesa traz agora um Centro de Referência da Língua Portuguesa que será um fórum de estudos e pesquisas sobre o tema e também um território de aproximação entre os países lusófonos. Com isso, a população ganha um excelente museu de informação e entretenimento; e a língua portuguesa, uma usina de produção, reflexão e difusão de conhecimento.

O Governo do Estado de São Paulo estabeleceu como absoluta prioridade a reconstrução do Museu da Língua Portuguesa e não mediu esforços para devolver este inestimável patrimônio cultural à população. As obras começaram em 2017 e foram divididas em três fases: restauro do interior e das fachadas; reconstrução da cobertura destruída no incêndio; e intervenções de ampliação e melhoria. Em seguida, a partir de 2019, já com o governador João Doria no comando do estado e agindo para dar ainda mais celeridade ao processo, foi realizada a implantação do conteúdo e das experiências, assim como a iluminação externa e a contratação da equipe.

Para realizar um projeto de tamanha envergadura, o Governo de São Paulo, em conjunto com a Fundação Roberto Marinho, recebeu o suporte de dezenas de parceiros e apoiadores, todos imbuídos do mesmo propósito. O investimento total foi de R$ 85,8 milhões, incluindo a indenização do seguro e o patrocínio de diversas empresas, como EDP Brasil, Itaú, Grupo Globo, Sabesp e EMAE, além do aporte do Governo do Estado e do apoio da Fundação Calouste Gulbenkian, do Camões – Instituto da Cooperação e da Língua, do ID Brasil e do Governo Federal, por meio da Lei Rouanet.

No período da obra, o Museu da Língua Portuguesa se manteve conectado à população, oferecendo exposições temporárias e atividades itinerantes e on-line. Em 2019, o Dia Internacional da Língua Portuguesa foi celebrado com saraus no saguão da Estação da Luz. Entre as itinerâncias, a exposição “A Língua Portuguesa em Nós” cruzou fronteiras e foi vista em Portugal, Cabo Verde, Angola e Moçambique. A partir de 2020, o museu transferiu sua rica programação para o ambiente virtual. Milhares de pessoas de vários países puderam apreciar um rico leque de atrações.

Estado de migrantes que é um emblema da diversidade cultural do Brasil, São Paulo orgulha-se de abrigar o novo Museu da Língua Portuguesa. A língua está no cerne das relações sociais e manifestações simbólicas dos indivíduos, assim como da criação artística e intelectual. A língua nos identifica, representa e conecta. É um território comum de comunicação e expressão. E resulta de uma construção coletiva. Como seu tema, o novo Museu da Língua Portuguesa também é vivo, pulsante e transformador. E simboliza o quanto valorizamos em São Paulo a arte, a cultura e a civilização.

*Julio Serson, secretário de Relações Internacionais do Governo do Estado de São Paulo

*Sérgio Sá Leitão, secretário de Cultura e Economia Criativa do Governo do Estado de São Paulo

*Paulo Jorge Nascimento, cônsul-geral de Portugal em São Paulo

Tudo o que sabemos sobre:

ArtigoMuseu da Língua Portuguesa

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.