‘Um inquérito vazio’, diz defesa de Renan

‘Um inquérito vazio’, diz defesa de Renan

Advogado Luis Henrique Machado diz que ex-presidente do senado apenas exercia a tipica função parlamentar quando foi gravado clandestinamente por um delator

Luiz Vassallo e Fausto Macedo

22 Julho 2017 | 12h03

Renan Calheiros. Foto: EFE/Joédson Alves

O advogado Luís Henrique Machado, que defende o senador Renan Calheiros (PMDB-AL), classificou, neste sábado, 22, as investigações acerca da suposta tentativa de seu cliente, do senador Romero Jucá (PMDB-RR), e do ex-presidente José Sarney (PMDB-MA), de barrar a Lava Jato, como um ‘inquérito vazio’. Para o defensor, o peemedebista foi ‘gravado clandestinamente’ pelo delator Sérgio Machado ‘ao exercer a típica função parlamentar’.

Nesta sexta-feira, 21, a Polícia Federal concluiu que os áudios gravados pelo ex-presidente da Transpetro, Sérgio Machado, em conversas com os três peemedebistas não configuram obstrução de Justiça. A delegada da Polícia Federal considerou que, ainda que ‘lamentável’, o comportamento demonstrado por Sarney, Jucá e Renan está assegurado como prerrogativa de seus cargos. A PF ainda recomendou que Machado não receba os benefícios de acordos de delação premiada.

Nos diálogos, Jucá afirma ser necessário ‘mudar o governo para estancar a sangria’ e mencionava como ‘solução’, o então vice-presidente Michel Temer.

À época, em maio de 2016, a ex-presidente Dilma Rousseff estava à beira do processo de impeachment e o delator e o peemedebista falavam sobre as investigações.

O então presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), ressaltou a necessidade de regulamentar a delação premiada em conversa com Machado.

Já Sarney disse prever que a delação da Odebrecht teria o efeito de uma ‘metralhadora ponto 100’.

O advogado de Renan, Luís Henrique Machado, sustenta que ‘o crime de obstrução de Justiça nunca existiu’.  “O Senador Renan foi gravado, clandestinamente por um delator, ao exercer a típica função parlamentar de discutir e debater projetos de lei com os seus pares, sem qualquer intenção espúria de obstruir a Operação Lava Jato”.

Segundo o defensor, ‘trata-se de um inquérito vazio, tendo em vista que as medidas cautelares de prisão preventiva e de busca e apreensão relativas ao caso foram indeferidas’.

“É de se reconhecer que a probabilidade de arquivamento é elevadíssima”, concluiu.