TST elege ministra Maria Cristina Peduzzi primeira mulher presidente da Corte

TST elege ministra Maria Cristina Peduzzi primeira mulher presidente da Corte

Desde 2001 no Tribunal Superior do Trabalho, a magistrada pondera que 'os desafios institucionais são enormes, principalmente diante de um contexto de uma longa recuperação econômica e de reflexão sobre as bases fundantes das relações de trabalho no país'; também foram eleitos nesta segunda, 9, em sessão extraordinária do Tribunal Pleno o vice Vieira de Mello e o corregedor-geral Aloysio Corrêa da Veiga

Fausto Macedo e Pedro Prata

10 de dezembro de 2019 | 13h14

Em sessão extraordinária do Tribunal Pleno realizada nesta segunda, 9, o Tribunal Superior do Trabalho elegeu a ministra Maria Cristina Peduzzi para presidir a Corte e o Conselho Superior da Justiça do Trabalho no biênio 2020-2022. O vice-presidente será o ministro Vieira de Mello, e o novo corregedor-geral o ministro Aloysio Corrêa da Veiga. A ministra será a primeira mulher a presidir o TST. A posse da nova direção se dará em sessão solene no dia 19 de fevereiro de 2020.

Cristina Peduzzi: ‘Muito me orgulha a contingência histórica de ser a primeira mulher eleita presidente do Tribunal’. Foto: Giovanna Bembom/TST/Divulgação

As informações foram divulgadas pelo TST. O presidente do Tribunal e do Conselho, ministro Brito Pereira, desejou ‘sorte à futura Administração’.

“Temos certeza de que a ministra Cristina fará um ótimo trabalho visando sempre ao fortalecimento da Justiça do Trabalho”, ele afirmou.

Cristina Peduzzi agradeceu a confiança dos colegas e disse estar ‘ciente do relevante papel institucional da Presidência’.

“Muito me orgulha a contingência histórica de ser a primeira mulher eleita presidente do Tribunal”, afirmou.

A ministra citou a escritora Virginia Woolf para destacar que não é possível responder à pergunta ‘o que é uma mulher’ até a mulher se expressar ‘em todas as artes e profissões abertas às capacidades humanas’. “Espero ser este um sinal de que estamos avançando na resposta a essa questão”, assinalou.

Para a presidente eleita do TST, ‘os desafios institucionais são enormes, principalmente diante de um contexto de uma longa recuperação econômica e de reflexão sobre as bases fundantes das relações de trabalho no país’.

“Desde logo, afirmo nosso compromisso com a Justiça do Trabalho e com a sua missão de pacificar os conflitos laborais”, adiantou. “Esperamos todos contribuir para a construção de uma administração judicial funcional, eficiente, capaz de sempre dar resposta célere às reivindicações da sociedade brasileira.”

Da esquerda para a direita: ministro Vieira de Mello, ministra Maria Cristina Peduzzi e Aloysio Corrêa da Veiga. Foto: Giovanna Bembom/TST/Divulgação

Quem é Maria Cristina Irigoyen Peduzzi

A ministra tomou posse no TST em 21 de junho de 2001. Preside a Oitava Turma e a comissão de Jurisprudência e Precedentes Normativos e integra a Subseção 1 Especializada em Dissídios Individuais (SDI-1) e o Órgão Especial.

Cristina Peduzzi foi vice-presidente do Tribunal no biênio 2011/2013 e conselheira do Conselho Superior da Justiça do Trabalho de 2009 a 2013.

De 2013 a 2015, representou o TST no Conselho Nacional de Justiça. No biênio 2016/2018, foi diretora da Escola Nacional de Formação e Aperfeiçoamento de Magistrados do Trabalho (Enamat).

Bacharel em Direito pela Universidade de Brasília (UnB) e mestra em Direito, Estado e Constituição pela mesma instituição, a ministra atuou como advogada nos Tribunais Superiores de 1975 até sua posse no TST, em vaga destinada à advocacia. Foi, ainda, procuradora da República (1984), procuradora do Trabalho (1992) e professora universitária de graduação e pós-graduação (UnB, CEUB, Mackenzie e IDP).

Leia aqui o perfil completo da ministra.

Quem é Luiz Philippe Vieira de Mello Filho

Mineiro de Belo Horizonte, o ministro integra o TST desde 2006, em vaga destinada à magistratura. É formado em Direito pela da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e ingressou na magistratura trabalhista em 1987, após ter sido aprovado em concurso para o cargo de Juiz do Trabalho substituto da 3ª Região (MG). Atuou como tal nas Juntas de Conciliação e Julgamento (JCJ, atuais Varas do Trabalho) de Belo Horizonte, João Monlevade, Uberaba e Ouro Preto e, em 1998, foi promovido por merecimento ao Tribunal Regional do Trabalho da 3.ª Região.

Além de integrar a Sétima Turma e a Subseção 1 Especializada em Dissídios Individuais (SDI-1), o ministro é o atual diretor da Enamat.

Leia aqui o perfil completo do ministro.

Ministro Luiz Philippe Vieira de Mello Filho. Foto: Giovanna Bembom/TST/Divulgação

Quem é Aloysio Corrêa da Veiga

O ministro Aloysio Corrêa da Veiga nasceu em Petrópolis (RJ), onde se formou em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade Católica de Petrópolis em 1974. Ingressou na magistratura em 1981, como juiz do trabalho substituto e, em 1997, foi promovido por merecimento ao cargo de desembargador do TRT da 1ª Região (Rio de Janeiro). Em 2004, tomou posse como ministro do TST, em vaga destinada à magistratura.

No TST, integra atualmente a Sexta Turma, o Órgão Especial e a Seção Especializada em Dissídios Coletivos (SDC) e preside a Comissão de Regimento Interno. De 2012 a 2014, foi conselheiro do CSJT e, no biênio 2011/2013, dirigiu a Enamat. Compôs o CNJ, como conselheiro, no biênio 2017/2019 e, em 2018, foi designado corregedor nacional da Justiça substituto.

Leia aqui o perfil completo do ministro.

Ministro Aloysio Corrêa da Veiga. Foto: Giovanna Bembom/TST/Divulgação

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: