TSE, Abin, Defesa e Universidade de Minas estudam parceria por ‘Eleições sem Fake’

TSE, Abin, Defesa e Universidade de Minas estudam parceria por ‘Eleições sem Fake’

Meta é coibir a propagação de notícias falsas em período eleitoral

Guilherme Coura, especial para o Estado

19 de outubro de 2018 | 17h50

Fachada do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). FOTO: DANIEL TEIXEIRA/ESTADão

Representantes do Tribunal Superior Eleitoral, da Agência Brasileira de Inteligência (Abin) e do Centro de Defesa Cibernética do Ministério da Defesa se reuniram para discutir iniciativas para coibir a propagação de notícias falsas em período eleitoral. O encontro ocorreu na quarta, 17.

O professor da Universidade Federal de Minas Fabricio Benevuto apresentou os sistemas de monitoramento desenvolvidos pelo grupo Eleições sem Fake, do qual é coordenador, para combater a disseminação de notícias falsas.

Ele afirmou que os sistemas desenvolvidos pelo grupo ‘são inovadores, e ajudam a entender o fenômeno de desinformação que está ocorrendo no momento eleitoral’.

O secretário-geral da presidência do TSE, Estêvão Waterloo, afirmou que a Corte estuda firmar uma parceria com a universidade já para o segundo turno das eleições, e também para pleitos futuros.

Tudo o que sabemos sobre:

TSE [Tribunal Superior Eleitoral]

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: