Triplex foi alvo da Promotoria e do MPF

Triplex foi alvo da Promotoria e do MPF

Empreendimento da Bancoop, condomínio no Guarujá (SP) foi assumido pela OAS depois da falência da cooperativa ligada ao PT

Fausto Macedo e Fernanda Yoneya

21 Janeiro 2018 | 05h00

Condomínio Solaris, no Guarujá. Foto: NILTON FUKUDA/ESTADÃO

Antes de entrar no radar da Lava Jato, o condomínio Solaris, no Guarujá (SP), já era investigado pelo Ministério Público de São Paulo. Em 2010, a Promotoria abriu um inquérito para apurar suspeitas de desvios envolvendo a Cooperativa Habitacional dos Bancários (Bancoop), entidade ligada ao PT. A investigação, que resultou em uma denúncia criminal, se estendeu a alguns de seus empreendimentos, entre eles o condomínio no Guarujá.

O Solaris foi construído pela Bancoop, mas, em 2009, com a falência da cooperativa, foi assumido pela construtora OAS, que concluiu a obra.

Justiça proíbe ato pró-Lula na Paulista

Polícia gaúcha diz que chegou a acordo com movimentos pró-Lula

A ligação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva com o Solaris vem de 2005, quando a então primeira-dama Marisa Letícia adquiriu a opção de compra de uma unidade do condomínio. Para a Promotoria e para o Ministério Público Federal, a OAS, envolvida no esquema de corrupção na Petrobrás, em troca de favorecimento em contratos da estatal, repassou propina a Lula por meio de um apartamento – o triplex 164-A. O ex-presidente nega ser o proprietário do apartamento e diz ter desistido do negócio após visitar o imóvel pronto, em 2014.

VÍDEOS: Lula e Moro frente a frente

+ Ordem de penhora do triplex não emite juízo sobre propriedade, diz magistrada

Em março de 2016, a denúncia da Promotoria paulista contra Lula no caso do triplex foi enviada ao juiz Sérgio Moro, responsável pela Lava Jato na primeira instância. Em setembro daquele ano, o MPF acusou formalmente o ex-presidente – classificado como “comandante máximo do esquema de corrupção”. Uma semana após o oferecimento da denúncia, Lula virou réu.

O triplex resultou na primeira condenação do petista na Lava Jato, por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Em julho do ano passado, Moro o sentenciou a 9 anos e 6 meses de prisão pelo recebimento de R$ 2,2 milhões em propina da OAS por meio do imóvel.