Tribunal nega habeas para Eduardo Cunha

Tribunal nega habeas para Eduardo Cunha

TRF1 manteve decreto de prisão do ex-presidente da Câmara na Operação Sépsis, que investiga propinas e fraudes em financiamentos do Fundo de Investimento do FGTs da Caixa

Fabio Serapião, de Brasília

18 de julho de 2017 | 19h56

Eduardo Cunha  FOTO ANDRE DUSEK/ESTADAO

A 3.ª Turma do Tribunal Regional Federal da 1.ª Região (TRF-1) negou habeas corpus impetrado pela defesa do ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB/RJ) e manteve a prisão do peemedebista no âmbito da Operação Sépsis. O peemedebista é acusado de receber propina de empresas interessadas em aportes milionários do Fundo de Investimento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (Fi-FGTS).

Cunha está preso em Curitiba por decisão do juiz Sergio Moro desde outubro de 2016. A decisão no TRF-1 não afetaria a permanência dele no Complexo Médico Penal de São José dos Pinhais, no Paraná. O habeas julgado nesta terça-feira, 18, tinha como alvo o mandado de prisão expedido pelo juiz Vallisney de Souza Oliveira, da 10.ª Vara Federal de Brasília, em desdobramento da Sépsis que também prendeu o ex-ministro Henrique Eduardo Alves.

Ao lado do corretor Lúcio Funaro, de Henrique Alves e do ex-vice-presidente da Caixa Fabio Cleto, Cunha foi alvo de denúncia originalmente oferecida pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, ao Supremo Tribunal Federal (STF) por conta dos supostos crime praticados no FI-FGTS.. Após sua cassação, Cunha perdeu o foro privilegiado e o caso foi enviado à Justiça Federal do Distrito Federal.

Para o presidente da 3.ª Turma, desembargador Ney Bello, a conta no exterior e os valores depositados por empresas investigadas apontam para potencial probabilidade do ilícito ter acontecido. “Essa conta e com depósitos feitos a pedido de Eduardo Cunha me dão segurança para dizer um processo continuo de lavagem de dinheiro oriundo de ato ilícito praticado”, salientou Ney Bello.

Os desembargadores George Ribeiro e Guilherme Doehler seguiram o voto do presidente da Turma e a prisão preventiva autorizada pelo juiz Vallisney de Souza foi mantida por unanimidade.

Tudo o que sabemos sobre:

operação Lava Jato

Tendências: