Tribunal mantém Renato Duque na prisão

Tribunal mantém Renato Duque na prisão

Ex-diretor de Serviços da Petrobrás está preso desde março deste ano, alvo da Operação "Que País é Esse?"; o executivo recebeu a mais alta pena aplicada na Operação Lava Jato

Julia Affonso, Mateus Coutinho e Fausto Macedo

18 de dezembro de 2015 | 12h54

Renato Duque, ex-diretor da Petrobrás, preso desde março pela Lava Jato. Foto: Fábio Motta/Estadão

Renato Duque, ex-diretor da Petrobrás, preso desde março pela Lava Jato. Foto: Fábio Motta/Estadão

A 8ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), com sede em Porto Alegre, negou nesta semana novo pedido de habeas corpus impetrado pela defesa do ex-diretor de Serviços da Petrobrás Renato de Souza Duque. A decisão, unânime, entendeu que deve ser mantida a terceira ordem de prisão preventiva, pois estão presentes no caso novos pressupostos de materialidade e indícios de autoria.

Renato Duque está preso desde março deste ano, alvo da Operação “Que País é Esse?”, desdobramento da Lava Jato. O executivo já foi condenado por corrupção e lavagem de dinheiro. Duque recebeu a mais alta pena aplicada pelo juiz federal Sérgio Moro na Lava Jato: 20 anos e oito meses de prisão.

[veja_tambem]

As informações foram divulgadas pelo TRF4 nesta sexta-feira, 18. A defesa de Duque alegou que a nova ordem de prisão foi decretada pela 13ª Vara Federal de Curitiba em razão de riscos à ordem pública e à aplicação da lei penal, com base na movimentação financeira do paciente em instituição financeira no exterior, sem a existência de fatos posteriores ao decreto de prisão anterior.

Ao analisar o habeas corpus, o desembargador federal João Paulo Gebran Neto, relator do caso da operação Lava Jato no TRF4, lembrou que o Ministério Público Federal, ao oferecer denúncia contra Duque, solicitou a ratificação da prisão preventiva, com base em outros fatos criminosos. “Há boa materialidade e indícios de autoria de que o paciente estaria envolvido em crime de corrupção passiva qualificada”, afirmou em seu voto.

Para Gebran, “em se tratando de novos fatos criminosos com novos contornos à investigação, não há obstáculo à decretação de prisão a eles associada, ainda que os fundamentos (garantia da ordem pública, da ordem econômica, por conveniência da instrução criminal, ou para assegurar a aplicação da lei penal) se mostrem semelhantes”.

O desembargador destacou ainda que, no caso de grupo criminoso “entranhado no setor público e, ao que tudo indica pela dinâmica da investigação, ainda não completamente desvendado, mantém-se a necessidade de preservar a ordem pública pela possibilidade de reiteração da conduta delitiva e a aplicação da lei penal”. Para Gebran, não se chega a tal conclusão por suposições: “os incontáveis desdobramentos da Operação Lava Jato revelam, a cada fase, novos delitos praticados pelos mesmos personagens e com modus operandi semelhante”.

Tudo o que sabemos sobre:

operação Lava JatoRenato Duque

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.