Tribunal mantém ‘rei do ônibus’ na prisão

Tribunal mantém ‘rei do ônibus’ na prisão

Magistrados da 1.ª Turma Especializada do TRF2, no Rio, acolheram manifestação da Procuradoria da República e Jacob Barata Filho, alvo da Operação Ponto Final, vai ficar detido por suspeita de integrar organização criminosa que teria distribuído R$ 260 milhões em propinas a políticos e a agentes públicos

Mariana Sallowicz, do Rio

26 Julho 2017 | 17h18

Jacob Barata Filho. Foto: WILTON JUNIOR/ESTADÃO

A 1.ª Turma Especializada do Tribunal Regional Federal da 2.ª Região (TRF2) manteve a prisão preventiva de Jacob Barata Filho, empresário do setor de transporte urbano no Estado do Rio. Barata Filho, conhecido como “rei do ônibus”, foi preso durante a Operação Ponto Final, deflagrada no início deste mês.

‘Assunto relacionado com o contato do escritório com o juiz’

No julgamento realizado nesta quarta-feira, 26, foram dois votos a um pela manutenção da prisão, seguindo manifestação do Ministério Público Federal (MPF). “Em virtude do grau de envolvimento do investigado nos delitos, da posição que ele exercia na organização, aliados a sua condição de grande prestígio e poder econômico, não cabe a suspensão da prisão preventiva e aplicação de outra medida cautelar”, defendeu a procuradora regional da República Mônica de Ré, integrante da força-tarefa em 2.ª instância.

OUTRAS DO BLOG: + Lava Jato pegou com Eduardo Cunha lista de ‘loteamento de cargos ao PMDB

Lula despreza videoconferência e quer ficar frente a frente com Moro

As investigações apontam que havia uma organização criminosa, atuante no setor de transportes do Estado do Rio, responsável pelo pagamento de mais de R$ 260 milhões a políticos e agentes públicos. De acordo com o MPF, o ex-governador do Rio Sérgio Cabral recebeu R$ 122,85 milhões em propinas do esquema entre 2010 e 2016.

A força-tarefa da Lava Jato no Rio identificou que essa é mais uma das ramificações da organização criminosa que seria liderada por Cabral. Para a maioria dos desembargadores, a liberdade do investigado representa um risco à ordem pública e ao prosseguimento das investigações.

COM A PALAVRA, A DEFESA DO EMPRESÁRIO BARATA FILHO

A defesa de Jacob Barata Filho informou que irá ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) porque considera que não há razões para manter o empresário em prisão preventiva.

“A ausência de unanimidade na decisão do Tribunal Regional Federal da 2.ª Região – dois votos a um – indica que seria viável a substituição por medidas cautelares, como o uso de tornozeleira eletrônica e o pagamento de fiança. As questões levantadas hoje pelo Ministério Público Federal se referem ao processo e não às medidas cautelares que estavam em discussão”, afirma o advogado do empresário José Carlos Tórtima.

Mais conteúdo sobre:

operação Lava Jato