Tribunal mantém prisão de ex-secretário de Meio Ambiente de São Bernardo

Tribunal mantém prisão de ex-secretário de Meio Ambiente de São Bernardo

Decisão deixa ainda outros seis acusados na cadeia por suposto esquema de propinas pela liberação de certificados na pasta

Luiz Vassallo e Julia Affonso

25 de julho de 2018 | 15h38

Mario de Abreu. Foto: Reprodução/Facebook

Os desembargadores da 4.ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo mantiveram a decretação de prisão preventiva do ex-secretário de Gestão Ambiental da gestão Orlando Morando (PSDB) e atual vereador de São Bernardo do Campo Mario Henrique de Abreu (PSDB) acusados dos crimes de organização criminosa, corrupção passiva e concussão na Secretaria de Gestão Ambiental de São Bernardo do Campo. A decisão foi dada em recurso em sentido estrito, julgado nesta terça, 24.

‘Fui pego de surpresa’, diz secretário demitido do governo Morando por organização criminosa

O relator do caso, desembargador Euvaldo Chaib, destacou em seu voto que a prisão preventiva é necessária para a garantia da ordem pública e para ‘frenar atuação da sólida e estruturada organização criminosa’.

“O grupo tem contribuído de todas as formas para atrapalhar a elucidação dos fatos”, destacou o magistrado.

Promotoria mira organização criminosa na Gestão Ambiental do governo Morando, em São Bernardo

Segundo divulgou o site do TJ, os acusados estão foragidos desde a decretação da prisão por decisão monocrática do relator, de 19 de junho.

“Os sete (acusados) desapareceram simultaneamente do distrito da culpa instantes após a decretação da custódia preventiva”, afirma Euvaldo Chaib. “Tal fato é veemente indicativo de que não têm interesse em contribuir com a instrução.”

‘Patty’ diz no Whatsapp que deu seu carro de R$ 45 mil e pegou cargo público em São Bernardo

De acordo com a decisão, as investigações apontaram indícios de que organização criminosa se estruturou dentro e fora da administração pública de São Bernardo do Campo, ‘atuando em múltiplas frentes, entre a anulação de multa e a concessão de licença ambiental irregular ou corte de árvores, estendendo-se até a alienação do produto para madeireiras’.

Também participaram do julgamento do recurso os desembargadores Ivan Sartori e Camilo Léllis. A votação foi unânime.

Tudo o que sabemos sobre:

Orlando MorandoPSDBSão Bernardo do Campo

Tendências: