Tribunal mantém, por unanimidade, condenação de Joaquim Barbosa

Tribunal mantém, por unanimidade, condenação de Joaquim Barbosa

Nesta quarta-feira, 21, desembargadores rejeitaram um recurso do ex-presidente do Supremo Tribunal Federal contra a decisão que o obriga a indenizar o jornalista Felipe Recondo

Julia Affonso

22 Fevereiro 2018 | 05h00

Joaquim Barbosa. Foto: André Dusek/Estadão

Em decisão unânime, o Tribunal de Justiça do Distrito Federal manteve a condenação do ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Joaquim Barbosa. Nesta quarta-feira, 21, os desembargadores analisaram um recurso do ex-presidente da Corte máxima contra a decisão que o obriga a indenizar o jornalista Felipe Recondo.

Em outubro de 2016, Joaquim Barbosa foi condenado, por 3 votos a 2, pela 4.ª Turma Cível do Tribunal, a pagar R$ 20 mil por danos morais.

Em 2013, quando era repórter do Estadão, Felipe Recondo foi chamado de ‘palhaço’ por Joaquim Barbosa e ainda ouviu do então ministro que deveria ‘chafurdar no lixo’.

No recurso a ser julgado nesta quarta, o ex-ministro alega que a União deveria ser a responsável pelo pagamento da indenização. Joaquim Barbosa contesta a decisão do Tribunal de Justiça de convocar um desembargador de outra Turma para que houvesse desempate na decisão e tenta anular o julgamento.

Em 2013, Joaquim Barbosa atacou verbalmente Felipe Recondo. O ministro irritou-se ao ser abordado na saída de uma sessão do Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

O repórter apenas iniciou a pergunta: “Presidente, como o senhor está vendo?”. Barbosa o interrompeu: “Não estou vendo nada”. O repórter tentou fazer nova pergunta, mas novamente foi impedido. “Me deixa em paz, rapaz. Vá chafurdar no lixo como você faz sempre”.

O jornalista tentou questionar a razão do comportamento do ministro. “Que é isso ministro, o que houve?”. Ainda exaltado, Joaquim Barbosa prosseguiu. “Estou pedindo, me deixe em paz. Já disse várias vezes ao senhor”, disse. O repórter disse que apenas lhe fazia uma pergunta, o que é parte de seu trabalho.

No mesmo tom, Barbosa afirmou que não responderia as perguntas. “Eu não tenho nada a lhe dizer, não quero nem saber do que o senhor está tratando”, afirmou.

O assessor de imprensa do ministro tentou tirá-lo do lugar, pedindo para que o ministro seguisse em frente. E quando estava à porta do elevador, na frente dos jornalistas, chamou o repórter de “palhaço”.

Mais tarde, o assessor divulgou nota com pedido de desculpas em nome do presidente do Supremo. No texto, alegou que Barbosa estava cansado e com dores nas costas – ele tem problemas crônicos na coluna – quando “respondeu de forma ríspida” ao repórter do Estado.

O ex-ministro Joaquim Barbosa informou que não vai comentar.

Mais conteúdo sobre:

Joaquim Barbosa