Tribunal mantém na prisão ex-Gestão de Sérgio Cabral

Tribunal mantém na prisão ex-Gestão de Sérgio Cabral

Wilson Carlos Carvalho, braço direito do ex-governador do Rio, está preso desde novembro de 2016

Julia Affonso e Ricardo Brandt

07 Novembro 2017 | 16h44

Wilson Carlos. Foto: Reprodução

O Tribunal Regional Federal da 4.ª Região (TRF4) manteve o decreto de prisão preventiva do ex-secretário de Gestão do governo Sérgio Cabral (PMDB), Wilson Carlos Cordeiro da Silva Carvalho. O julgamento do mérito do habeas corpus ocorreu nesta terça-feira, 7, e os desembargadores da 8.ª Turma confirmaram decisão liminar proferida pelo relator João Pedro Gebran Neto, em setembro.

Carvalho está preso desde novembro de 2016. Sérgio Cabral também.

OUTRAS DO BLOG: + Ex-assessor diz que contava maços de até R$ 100 mil para Geddel

Lava Jato acha novas senhas da propina do Transporte do Rio: ‘tem leitinho na mamadeira’

Dayse, alvo da Lava Jato, se referia ao marido por ‘moça’, ‘menina’ e ‘nossa amiga’

Tribunal da Lava Jato reduz pena de Argello de 19 anos de prisão para 11

Boca Livre vê ‘duas décadas repletas de graves omissões e desídias’ do Ministério da Cultura

Em junho deste ano, o ex-Gestão do peemedebista foi condenado pelo juiz federal Sérgio Moro, da 13.ª Vara Federal de Curitiba, por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, a 10 anos e 8 meses de reclusão.

Na ocasião, Moro manteve a prisão preventiva de Carvalho.

A defesa alegou que a medida cautelar ‘é excessiva’ e estaria havendo ‘antecipação da pena’.

Os advogados argumentaram ainda que a prisão está baseada ‘apenas no que disseram os delatores da empreiteira Andrade Gutierrez, com provas frágeis, fundamentando-se nos mesmos elementos analisados há 10 meses’.

Segundo o desembargador Gebran, as provas nos autos ‘são suficientes para atestar a materialidade e a autoria do delito imputado ao réu’.

O desembargador destacou que a renovação da prisão preventiva na sentença é legal e o que as defesas chamam de excesso e vulgarização das prisões preventivas no âmbito da Operação Lava Jato ‘carece de sustentação, pois apenas 15% das colaborações premiadas foram firmadas com réus investigados presos’.

Gebran afirmou que a medida cautelar tem o objetivo de preservar a ordem pública, pois ‘além de prevenir o envolvimento do investigado em outros esquemas criminosos, também terá o efeito de impedir ou dificultar novas condutas de ocultação e dissimulação do produto do crime, que ainda não foi recuperado’.

Para o desembargador, também está presente ‘o risco à aplicação da lei penal diante da identificação de transações de elevado valor em espécie para evitar o rastreamento do dinheiro’.

“Apesar de Sérgio Cabral efetivamente não exercer mais cargo público, viu-se no histórico do processo e de outras investigações que tal circunstância sequer é relevante para a manutenção da atividade criminosa por ele e seus associados”, ressaltou Gebran.

Mais conteúdo sobre:

Sérgio Cabraloperação Lava Jato