Tribunal mantém condenação de injúria por ‘preto, macaco, pobre e feio’

Tribunal mantém condenação de injúria por ‘preto, macaco, pobre e feio’

Robson Junio Euzébio também foi sentenciado por agredir Jocimauro Gomes, que teria chamado sua namorada para um encontro

Pedro Prata

08 de janeiro de 2020 | 16h30

A 13.ª Câmara de Direito Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo manteve sentença que condenou Robson Junio Euzébio a três meses de detenção e um ano de reclusão, convertidos em prestação de serviços à comunidade, por dar socos em Jocimauro Gomes e chamá-lo de ‘preto, macaco, pobre e feio’.

Documento

O desembargador Ronaldo Sérgio Moreira da Silva, relator, considerou suficientemente provadas a materialidade e a autoria do crime.

“Era mesmo inarredável o provimento condenatório, como bem proclamado pelo eminente magistrado sentenciante, cujas lúcidas e bem colocadas razões de decidir ficam aqui adotadas.”

Robson namora com Gislaine há seis anos, e ela afirmou que ‘tem pretensão de casar com ele’.

Conforme o depoimento dos envolvidos à Justiça, Jocimauro teria chamado Gislaine para um encontro, mesmo sabendo do envolvimento dela com Robson.

Jocimauro afirma que Robson desceu do carro proferindo ofensas e o agrediu. Foto: Free-Photo/Pixabay/Divulgação

Este teria ficado irritado, e fez ameaças a Jocimauro. Numa das ocasiões, ligou para ele para falar que possuía arma de fogo e que poderia ‘causar-lhe mal’.

As ofensas e a agressão ocorreram em 20 de março de 2014. Robson dirigia um veículo com Gislaine quando encontrou Jocimauro em outro carro transportando um passageiro.

De acordo com Jocimauro, Robson desceu do carro proferindo ofensas e o agrediu.

Robson divergiu, segundo informa o relato do desembargador Silva. “(Ele disse que) Em momento algum o agrediu fisicamente e apenas o chamou de safado e sem vergonha, dizendo que ele não era homem e não poderia fazer aquilo com o interrogando.”

COM A PALAVRA, A DEFESA

A reportagem tentou contato com a defesa de Robson Junio Euzébio por telefone e aguarda um posicionamento. O espaço está aberto para manifestação. (pedro.prata@estadao.com)

Tudo o que sabemos sobre:

TJ [Tribunal de Justiça]Racismo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: