Tribunal manda Adriana Ancelmo de volta a Bangu

Tribunal manda Adriana Ancelmo de volta a Bangu

Mulher do ex-governador Sérgio Cabral estava em prisão domiciliar

Mariana Sallowicz, do Rio, Julia Affonso e Fausto Macedo

26 de abril de 2017 | 15h16

Adriana Ancelmo

Adriana Ancelmo

Primeira Turma Especializada do Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF2) mandou nesta quarta-feira, 26, a ex-primeira-dama Adriana Ancelmo de volta para a penitenciária de Bangu. Mulher do ex-governador Sérgio Cabral (PMDB), Adriana estava em prisão domiciliar por ordem do Superior Tribunal de Justiça.

Advogada, Adriana é acusada de envolvimento do esquema milionário de propinas atribuído a Sérgio Cabral.

Os desembargadores Abel Gomes, Paulo Espírito Santo votaram a favor do retorno dela à prisão na tarde de hoje. O desembargador Ivan Athié ainda irá votar, mas a decisão já está tomada por maioria.

“O Estado deve assegurar o direito das mulheres de terem contato com os filhos e que o bem-estar das crianças deve ser garantido, mesmo estando a mãe em instituição prisional”, disse em seu voto o relator Abel Gomes.

O julgamento ocorreu após questionamento apresentado pelo Ministério Público Federal (MPF) sobre decisão do juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal do Rio. O magistrado concedeu a mudança no regime prisional em 17 de março.

A ex-primeira-dama foi presa em 6 de dezembro do ano passado.

Em março, a prisão preventiva de Adriana foi convertida em domiciliar pelo juiz federal Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal, do Rio. A decisão de Bretas foi depois cassada pelo desembargador Abel Gomes, do Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF2). Em seguida, o Superior Tribunal de Justiça cassou a decisão do desembargador e restabeleceu a ordem de Bretas.

Tudo o que sabemos sobre:

operação Lava JatoAdriana Ancelmo

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.