Tribunal italiano nega recurso de Pizzolato para anular extradição

Tribunal italiano nega recurso de Pizzolato para anular extradição

Segundo Corte de Lazio, Brasil assegura garantia aos direitos fundamentais dos extraditados

Julia Affonso e Valmar Hupsel

01 de junho de 2016 | 11h40

 

Foto: Estadão

Foto: Estadão

 

O Tribunal Administrativo Regional de Lazio, na Itália, rejeitou o recurso do ex-diretor de marketing do Banco do Brasil, Henrique Pizzolato, que pretendia anular sua extradição. Na decisão, o tribunal considerou declarações do Ministério da Justiça brasileiro e da Procuradoria-Geral da República que asseguraram o respeito aos direitos fundamentais de todo o extraditado e a adequação do tratamento prisional. Pizzolato chegou ao Brasil em 23 de outubro de 2015 para cumprir pena da condenação na Ação Penal 470, o Mensalão.

As informações foram divulgadas no site da Procuradoria-Geral nesta quarta, 1.

Pizzolato foi condenado no Mensalão a 12 anos e sete meses de prisão por peculato, lavagem de dinheiro e corrupção passiva.

Ele foi o primeiro italiano entregue ao Brasil para cumprir pena no País. A extradição teve origem em missão coordenada da Procuradoria-Geral da República, Ministério da Justiça, Advocacia-Geral da União, Ministério das Relações Exteriores, Polícia Federal e autoridades italianas.

Após uma série de recursos, a Itália considerou que o sistema penitenciário brasileiro tem consistência para garantir a proteção pessoal de Pizzolato para o cumprimento da pena.

O recurso de Pizzolato questionava as condições das prisões brasileiras e alegava violações ao acordo bilateral entre Itália e Brasil em matéria de extradição e aos princípios da publicidade, da transparência e do contraditório.

Pizzolato também pedia a suspensão prévia dos efeitos do decreto do ministro da Justiça italiano que concedeu ao governo brasileiro autorização para sua extradição.

Na decisão, o Tribunal italiano destacou declarações do ministro da Justiça brasileiro e do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, enviadas em abril ao ministro da Justiça da Itália, assegurando, de acordo com as respectivas competências, a garantia e o respeito aos direitos fundamentais de todo o extraditado e a adequação do tratamento prisional.

Os documentos reafirmaram ainda o compromisso de acompanhamento, pelos dois órgãos, do processo de execução penal e duração da prisão, a fim de preservar esses direitos.

Tal acompanhamento vem sendo realizado pela Procuradoria-Geral da República desde o ano passado. A primeira inspeção para verificar as condições em que Pizzolato está preso no Centro de Detenção Provisória (CDP) na Papuda, em Brasília, foi feita em 10 de novembro de 2015. Depois, integrantes da Secretaria de Cooperação Internacional (SCI) estiveram no presídio em 19 de janeiro e em 10 de maio de 2016.

Em todas as ocasiões, segundo a Procuradoria, constatou-se que as condições de saúde e segurança atendem aos padrões exigidos pela legislação.

Tudo o que sabemos sobre:

Henrique PizzolatoMensalão

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: