Tribunal do Rio mantém condenação de quatro ex-vereadores da Operação Chequinho

Políticos de Campos dos Goytacazes pegaram cinco anos e quatro meses de reclusão por corrupção e associação criminosa em suposto esquema de concessão de benefícios do programa em troca do compromisso de voto nos candidatos indicados

Redação

20 de setembro de 2018 | 16h10

O Tribunal Regional Eleitoral no Rio manteve nesta quinta, 20, a condenação de quatro ex-vereadores de Campos dos Goytacazes, todos réus da Operação Chequinho – suposto esquema de compra de votos. A decisão do TRE segue parecer da Procuradoria Regional Eleitoral no Rio.

A Operação Chequinho desmontou esquema de uso ilícito do programa social de redistribuição de renda Cheque Cidadão, da Prefeitura de Campos, para supostamente angariar votos para o grupo político do ex-governador Anthony Garotinho nas eleições de 2016, informou a Assessoria de Comunicação da Procuradoria Regional da República na 2.ª Região e da Procuradoria Regional Eleitoral.

Os ex-vereadores Jorge Rangel, Kellinho, Linda Mara e Thiago Virgílio foram condenados a cinco anos e quatro meses de reclusão, em regime semiaberto – devem se recolher para dormir na prisão -, pelos crimes de corrupção eleitoral e associação criminosa.

A sentença também determinou o pagamento de multa e a perda do mandato eletivo dos quatro.

A investigação, que envolvia 11 dos 25 integrantes do legislativo municipal de Campos, apontou que apoiadores da campanha concediam o benefício do programa em troca do compromisso de voto nos candidatos indicados.

Segundo a Procuradoria, relatórios demonstraram um incremento significativo de benefícios concedidos no período anterior às eleições de 2016, e que muitos beneficiários não constavam das listas oficiais de controle do programa municipal nem atendiam aos critérios necessários para receber a ajuda.

Os réus já haviam sido condenados pela 76.ª Zona Eleitoral de Campos, mas recorreram da decisão alegando a inexistência dos crimes apontados.

Em sua manifestação pela manutenção das condenações, a Procuradoria Regional Eleitoral reiterou que há ‘farto material comprovando a prática ilícita dos condenados’.

“É inequívoco o dolo específico da conduta dos recorrentes, tendo em vista o conhecimento dos réus acerca da ilicitude perpetrada e a sua associação para o cometimento de inúmeros crimes de corrupção”, afirmou o procurador regional eleitoral Sidney Madruga.

Kellinho (PROS) também teve sua candidatura a deputado estadual negada pelo TRE após impugnação da Procuradoria. “Como já foi condenado pelo TRE por abuso de poder político e econômico no esquema do Cheque Cidadão, o candidato está inelegível.”

Pela Lei da Ficha Limpa (LC 135/2010), condenados em órgãos colegiados, caso do TRE, ficam inelegíveis por oito anos.

DEFESA
A reportagem está tentando contato com as defesas dos quatro ex-vereadores. O espaço está aberto para manifestação. No recurso ao Tribunal Regional Eleitoral, alegaram inexistência dos crimes apontados.

Garotinho tem reiteradamente negado envolvimento em atos ilícitos.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: