Tribunal declara inconstitucionalidade de indulto natalino

Tribunal declara inconstitucionalidade de indulto natalino

No julgamento de recurso contra benefício a acusado por tráfico de entorpecentes, realizado dia 19 de dezembro, desembargadores da Corte Especial do TRF-4, que abrange Rio Grande do Sul, Paraná e Santa Catarina, vetaram perdão

Redação

08 Janeiro 2019 | 17h39

TRF4. Foto: Sylvio Sirangelo/Estadão

O Tribunal Regional Federal da 4.ª Região (TRF-4) declarou inconstitucional o artigo 1.º, inciso XIV, do Decreto nº 8.172/2013, que autoriza indulto coletivo pelo presidente da República a réus condenados criminalmente. A decisão foi tomada na última sessão de 2018, no dia 19 de dezembro, pela Corte Especial e é válida em toda a 4.ª Região da Justiça Federal, que abrange os Estados do Rio Grande do Sul, Paraná e Santa Catarina.

O entendimento do colegiado é de que o chefe do Executivo federal, ao estabelecer normas redutoras de penas, de cunho geral e abstrato, mediante decretos de indulto editados periodicamente, ‘viola a norma constitucional que lhe proíbe legislar sobre Direito Penal’ – artigo 62, parágrafo 1.º, b, da Constituição.

Indulto – Legislação

Segundo o artigo 1.º, inciso XIV, do Decreto nº 8.172/2013, editado pela Presidência da República, ‘concede-se o indulto coletivo às pessoas, nacionais e estrangeiras, condenadas à pena privativa de liberdade sob o regime aberto ou substituída por pena restritiva de direitos ou ainda beneficiadas com a suspensão condicional da pena, que tenham cumprido, em prisão provisória, até 25 de dezembro de 2013, um sexto da pena, se não reincidentes, ou um quinto, se reincidentes’.

O decreto tem sido editado anualmente desde então, não tendo ocorrido em 2018 por decisão do ex-presidente Michel Temer.

O incidente de arguição de inconstitucionalidade foi proposto pelo desembargador federal Leandro Paulsen em agravo de execução penal impetrado pelo Ministério Público Federal na 8.ª Turma da Corte.
O Ministério Público Federal questiona no recurso a concessão de indulto natalino a um condenado por tráfico de entorpecentes – 5034205-88.2018.4.04.0000/TRF

Segundo Paulsen, que também foi relator da arguição na Corte Especial, ‘as atuações de um Poder (Executivo) sobre a atividade dos demais (Legislativo e Judiciário) somente estariam constitucionalmente autorizadas em hipóteses excepcionais e justificadas’.

“O perdão irrestrito de delinquentes por mera vontade política de um único governante (chefe do poder executivo) viola a Constituição Federal por fazer letra morta inúmeras garantias da sociedade”, afirmou o magistrado. Ele acrescentou que o indulto vem sendo ‘ampliado sem qualquer justificação a cada ano’.

“A ordinarização do instituto é demonstrada pela própria alcunha a ele atribuída pela doutrina de direito penal: ‘indulto de natal’, porquanto benesse sistematicamente concedida na época das comemorações da data cristã. Identifica-se de forma clara que o figurino constitucional do indulto, instrumento excepcional para correção de pontuais e eventuais falhas no sistema de persecução criminal do Estado Democrático de Direito, vem sendo banalizado e utilizado como verdadeiro método de administração da população carcerária”, avaliou Paulsen.

“O artigo 1.º, inciso XIV, do Decreto 8.172/13, que concede indulto a quem tenha cumprido, em prisão provisória, apenas 1/6 (um sexto) da pena a que submetido por condenação lastreada no tipo e nos critérios legais de dosimetria aplicáveis ao caso, atenta contra os Poderes Legislativo e Judiciário, contra o princípio da individualização da pena, contra a vedação constitucional de que Executivo legisle sobre Direito Penal e contra o princípio da vedação da proteção insuficiente, na medida em que gera impunidade”, concluiu o desembargador.