Tribunal de Mato Grosso do Sul impõe aposentadoria compulsória a juiz denunciado por corrupção

Tribunal de Mato Grosso do Sul impõe aposentadoria compulsória a juiz denunciado por corrupção

Aldo Ferreira da Silva Júnior é acusado de receber propina por sentenças e de manipular pagamento de precatórios

Rayssa Motta e Fausto Macedo

24 de fevereiro de 2022 | 21h18

O Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul decidiu aposentar compulsoriamente o juiz Aldo Ferreira da Silva Júnior. Ele terá direito aos ‘proventos proporcionais’.

A decisão foi tomada em julgamento na última quarta-feira, 23, em dois processos administrativos abertos na esteira da denúncia de um esquema de venda de sentenças e fraude no pagamento de precatórios. O magistrado estava há quase cinco anos afastado do cargo.

Além dos processos disciplinares, o juiz também responde a ações penais por corrupção e processos por improbidade administrativa na esfera civil.

A defesa estuda agora eventuais recursos ao próprio Tribunal de Mato Grosso do Sul e ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

COM A PALAVRA, O ADVOGADO WILSON TAVARES, QUE REPRESENTA O JUIZ

“Considerando o sigilo, não posso comentar julgamento, mas acreditamos que essa decisão será revertida, com a adoção da medida jurídica cabível.”

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.