Tribunal de Justiça de São Paulo e Turma do Bem criam projeto de atendimento estético para mulheres vítimas de violência doméstica

Tribunal de Justiça de São Paulo e Turma do Bem criam projeto de atendimento estético para mulheres vítimas de violência doméstica

Maior Corte estadual do País e Organização de Interesse Público conduzem Projeto Fênix, iniciativa totalmente gratuita, para restabelecer autoestima de mulheres agredidas no lar, a elas oferecendo reparações estéticas

Wesley Gonsalves

17 de agosto de 2021 | 06h00

Uma parceria entre o Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) e a Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (Oscip) Turma do Bem vem ajudando mulheres que sofreram violência doméstica a encontrar atendimento médico e odontológico para reparar sequelas deixadas pelas agressões. O Projeto Fênix, uma iniciativa totalmente gratuita, tenta restabelecer a autoestima das vítimas por meio das reparações estéticas.

Serviço gratuito para as mulheres pode ser solicitado por qualquer pessoa, inclusive pelas vítimas. Foto: Freepik.

Através do atendimento disponibilizado pelo Sistema Único de Saúde (SUS), as mulheres podem realizar o agendamento de cirurgias plásticas reparadoras. Com o apoio de dentistas voluntários, as vítimas recebem o atendimento odontológico por meio do projeto “Apolônias do Bem”.

A juíza da Coordenadoria da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar do Poder Judiciário (Comesp), Teresa Cristina Cabral Santana, destaca a importância de se proporcionar outras formas de apoio às vítimas da violência doméstica. “Além do processo judicial, há a necessidade de oferecer outros tipos de apoio, como a recuperação física e estética. As marcas da violência dificultam a reinserção social e familiar das vítimas e percebemos que essa era uma questão muito delicada, que deveria ser abordada de maneira a contribuir para recuperação da dignidade dessas mulheres”, afirma a magistrada.

Juízes, integrantes do Ministério Público, da Defensoria Pública e da Advocacia, delegacias de polícia, as próprias vítimas, ou seus familiares podem solicitar o atendimento do projeto. As solicitações de consultas são feitas diretamente na Coordenadoria da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar do Poder Judiciário (Comesp) pelo e-mail comesp@tjsp.jus.br, ou nos telefones (11) 2171-4807 / 3104-5521.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.