Tribunal de Contas encontra até banheiro sem vaso ao vistoriar 485 escolas no Estado de São Paulo

Tribunal de Contas encontra até banheiro sem vaso ao vistoriar 485 escolas no Estado de São Paulo

Relatório da fiscalização em 348 municípios será encaminhado a conselheiros do Tribunal de Contas do Estado de São Paulo para subsidiar processos

Rayssa Motta

28 de abril de 2022 | 21h27

Fiscais do Tribunal de Contas do Estado de São Paulo estiveram em 348 municípios. Foto: Reprodução/TCE-SP

Banheiros sem vaso sanitário e sem porta, alimentos estocados no chão, teto com o forro caindo e paredes com mofo e infiltração. Esse foi o cenário encontrado nesta quinta-feira, 28, por fiscais do Tribunal de Contas do Estado de São Paulo (TCE-SP) durante uma vistoria em escolas municipais e estaduais.

Ao todo, 485 unidades de ensino em 348 municípios, incluindo a capital, foram fiscalizadas. A operação foi deflagrada para verificar se as irregularidades encontradas em uma visita anterior, em novembro do ano passado, haviam sido corrigidas.

“Ao revisitar as instituições, o TCE-SP busca confrontar a situação e averiguar se houve evolução ou piora no serviço prestado à população”, informou o órgão.

Os fiscais avaliam quesitos como infraestrutura, limpeza, transporte e merenda escolar, fornecimento de água e materiais didáticos.

Um dos principais problemas encontrados foi a falta de acessibilidade. Segundo relatório da vistoria obtido pelo Estadão, 65% das escolas não têm corrimões ou rampas de acesso.

Documento

Em 29% das instituições visitadas também não há computadores disponíveis para os alunos – mesmo nas equipadas há aparelhos fora de operação ou sem acesso à internet.

Em termos de infraestrutura, os principais problemas estão nos banheiros. Em 40% das escolas eles estão inadequados para uso. As irregularidades vão desde cabines vandalizadas até falta de água, papel higiênico, portas e dos próprios vasos sanitários.

As conclusões são encaminhadas aos gabinetes dos conselheiros do TCE-SP responsáveis por processos que envolvem as escolas fiscalizadas. Os dados detalhados sobre as escolas vistoriadas só são divulgados após a consolidação das informações.

“Todas as prefeituras e órgãos estaduais serão notificados a corrigir e prestar esclarecimentos detalhados sobre cada caso”, afirma o tribunal.

Veja registros da operação:

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.