Tribunal da Lava Jato mantém condenação de até 20 anos a réus de empreiteira

Tribunal da Lava Jato mantém condenação de até 20 anos a réus de empreiteira

Desembargadores do TRF-4 negam embargos infringentes e confirmam decisão da apelação criminal, que impôs a três executivos elevadas penas de reclusão; execução só se dará após julgamento de embargos de declaração

Redação

19 de julho de 2018 | 18h06

TRF4. Foto: Sylvio Sirangelo/Estadãotrf4

O Tribunal Regional Federal da 4.ª Região (TRF-4) negou nesta quinta-feira, 19, os embargos infringentes e de nulidade do núcleo da empreiteira Galvão Engenharia nos autos da Operação Lava Jato. Dessa forma, os desembargadores da 4.ª Seção da Corte mantiveram a decisão da apelação criminal, julgada em novembro do ano passado.

Os réus Dario de Queiroz Galvão Filho, Jean Alberto Luscher Castro e Erton Medeiros Fonseca requeriam a prevalência do voto menos gravoso, de autoria do desembargador federal Victor Luiz dos Santos Laus, vencido no julgamento da apelação criminal.

Ainda cabem embargos de declaração e a execução da pena só se dará após o julgamento desse recurso pelo tribunal.

Como ficaram as condenações

Dario de Queiroz Galvão Filho: condenado por corrupção ativa, lavagem de dinheiro e associação criminosa. Pena de 20 anos e 6 meses de reclusão;

Erton Medeiros Fonseca: condenado por corrupção ativa, lavagem de dinheiro e associação criminosa. Pena de 13 anos e 5 meses de reclusão;

Jean Alberto Luscher Castro: condenado por corrupção ativa e associação criminosa. Pena de 14 anos e 4 meses de reclusão.

COM A PALAVRA, A DEFESA

A reportagem está tentando contato com a defesa dos empresários. O espaço está aberto para manifestação.

Ao Tribunal Regional Federal da 4.ª Região, por meio do recurso embargos infringentes, os advogados dos executivos ligados à empreiteira requeriam a prevalência do voto menos gravoso, de autoria do desembargador Victor Luiz dos Santos Laus, vencido no julgamento da apelação criminal.

Tendências: