Tribunal confirma novos júris de PMs por massacre de 111 do Carandiru

Tribunal confirma novos júris de PMs por massacre de 111 do Carandiru

Desembargadores da 4.ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo mantêm decisão de submeter policiais militares a novos julgamentos por crime ocorrido em outubro de 1992, quando 111 presos foram mortos a tiros na antiga Casa de Detenção de São Paulo

Redação

27 Novembro 2018 | 14h50

Carandiru. 02/10/1992. Foto: Mônica Zarattini/Agência Estado

O Tribunal de Justiça de São Paulo confirmou a decisão de submeter policiais militares a novos julgamentos pelo massacre do Carandiru. A decisão foi tomada pelos desembargadores da 4.ª Câmara Criminal do TJ, que negaram recurso – embargos infringentes – da defesa de PMs contra decisão de 2016. O massacre do Carandiru ocorreu na tarde de 2 de outubro de 1992, quando 111 presos foram mortos a tiros na antiga Casa de Detenção de São Paulo.

As informações sobre a decisão da 4.ª Câmara Criminal foram divulgadas pelo repórter Walace Lara, da TV Globo.

Em 2013 e 2014, os policiais foram condenados a até 624 anos de prisão. Dois anos depois, porém, o Tribunal de Justiça anulou os julgamentos.

No recurso (embargos infringentes), a defesa pedia que a absolvição de três PMs fosse concedida aos outros policiais envolvidos no maior massacre da história penitenciária do País.

Mais conteúdo sobre:

Carandiru