Tribunal condena ex-prefeito do PMDB por deixar apodrecer 400 quilos de feijão do Fome Zero

AO VIVO

Eleições: 2020: notícias, resultados e apuração do 2° turno

Tribunal condena ex-prefeito do PMDB por deixar apodrecer 400 quilos de feijão do Fome Zero

Onilto 'Nilton' Ribeiro (PMDB), que administrou a pequena Moiporá, em Goiás, terá que ressarcir integralmente o dano

Julia Affonso

28 de setembro de 2016 | 14h07

Foto: Reprodução TJ/GO

Foto: Reprodução TJ/GO

O Tribunal de Justiça de Goiás manteve a condenação do ex-prefeito Onilto ‘Nilton’ Ribeiro, da cidade de Moiporá (GO), por deixar apodrecer mais de 400 quilos de feijão do programa Fome Zero.

O carregamento de grãos era destinado a atender entidades sociais no município. Antes de ser doadas, as sacas de feijão apodreceram.

‘Nilton’ foi condenado a ressarcir integralmente o dano. O valor será apurado na execução da pena.

A causa do apodrecimento, afirma a decisão judicial, foi o mau armazenamento das sacas, responsabilidade da Prefeitura.

A 4ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Goiás condenou ainda dois auxiliares de ‘Nilton’ a cobrir os prejuízos.

As informações foram divulgadas pelo TJ de Goiás nesta terça-feira, 27.

De acordo com o relator do voto – acatado à unanimidade –, o juiz substituto em segundo grau Sebastião Luiz Fleury foram constatados os atos lesivos ao patrimônio público.

Fotos e testemunhas comprovaram que o alimento armazenado ficou impróprio para o consumo. As sacas estavam próximas a paredes e o local sujeito à umidade, o que poderia ter deteriorado o produto.

Os sacos de feijão haviam sido entregues ao Executivo local pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) para atender centros sociais e famílias carentes, conforme apontou o Ministério Público do Estado de Goiás na petição inicial.

A Promotoria sustentou que a conduta do prefeito colaborou para a perda do alimento.

‘Nilton’ teria atrasado as doações ‘por falta de espaço em sua agenda política’.

Mesmo sem atestar que as entregas do feijão não ocorreram pela programação do prefeito, a Corte entendeu que houve negligência.

“A conduta adotada por Oninto Ribeiro carece da habilidade, competência e eficiência exigida do gestor da coisa pública sobre quem recai o dever da boa administração, decorrência do princípio da eficiência, de forma que, ainda que não haja evidências suficientes de dolo ou de obtenção de proveito próprio, o elemento subjetivo se encontra caracterizado na modalidade de negligência”, destacou o magistrado relator.

“Deixou o administrador de atuar com o cuidado e diligência minimamente exigidos para buscar o melhor resultado, este relativo à doação do alimento aos necessitados, negligenciando-se em empreender os meios necessários para resguardar o bem público.”

Em primeiro grau, a juíza Raquel Rocha Lemos, da comarca de Ivolândia – que abarca a cidade de Moiporá – condenou o prefeito, o secretário de assistência social, Fábio Moreira da Silva, e a voluntária Maria Lúcia Ribeiro e Souza – irmã de ‘Nilton’ – a ressarcirem os prejuízos.

O ex-prefeito foi condenado por improbidade administrativa.

Os réus recorreram, e o colegiado decidiu excluir das sanções a multa civil, a perda de função pública e a proibição de contratação com o Poder Público.

Tudo o que sabemos sobre:

Fome ZeroTribunal de Justiça de Goiás

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: