TRF4 suspende quebra de sigilo de vendedor de imóvel que a Odebrecht diz ter prometido a Lula

Corte federal de apelação da Lava Jato acolheu parcialmente a pedido da defesa do ex-presidente

Luiz Vassallo

13 de dezembro de 2017 | 19h50

A 8ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região suspendeu a quebra de sigilo bancário de Mateus Baldassari, um dos vendedores do prédio comprado pela Odebrecht supostamente em benefício do Instituto Lula. A decisão atende parcialmente a pedido da defesa do ex-presidente Lula.

O ex-presidente é réu por supostas propinas de R$ 12,5 milhões da Odebrecht. Do total, R$ 12 milhões correspondem ao valor do terreno aonde seria supostamente sediado o Instituto Lula, em São Paulo.

O imóvel pertencia à família de Mateus e foi comprado pela construtora por intermédio da DAG e de Glaucos da Costamarques. A empresa e o engenheiro, primo de José Carlos Bumlai – amigo de Lula -, são acusados de servir de laranjas ao petista.

A defesa ajuizou a correição após a 13ª Vara Federal de Curitiba determinar a quebra do sigilo bancário em incidente de falsidade documental movido pelo Ministério Público Federal (MPF) para apurar a veracidade de documentos juntados na ação penal, o que não seria possível.

Segundo o desembargador federal João Pedro Gebran Neto, relator dos processos da Operação Lava Jato no tribunal, a defesa tem razão. “Deste incidente de falsidade só poderá ser extraída a autenticidade ou não dos documentos questionados. Não sendo possível que outra prova seja produzida que não para este fim”, avaliou Gebran.

O desembargador pontuou que “caso a prova requerida se demonstrasse necessária, deveria ter sido requerida nos autos da ação penal ou em incidente próprio no decorrer da investigação ou da instrução”.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.