TRF2 manda prender Picciani e outros dois deputados do PMDB do Rio

TRF2 manda prender Picciani e outros dois deputados do PMDB do Rio

Por unanimidade, cinco desembargadores do Tribunal Regional Federal da 2.ª Região decretaram a prisão do presidente da Assembleia Legislativa, do ex-presidente da Casa Paulo Melo e, ainda, do líder do Governo Edson Albertassi

Constança Rezende e Fernanda Nunes

16 de novembro de 2017 | 14h59

Jorge Picciani, Paulo Melo e Edson Albertassi. Fotos: Tania Rego/Agência Brasil, Fabio Motta/Estadão e Alerj

Por unanimidade, cinco desembargadores do Tribunal Regional Federal da 2ª Regional (TRF-2) decretaram nesta quinta-feira, 16, a prisão preventiva do presidente da Assembleia Legislativa do Rio e do PMDB fluminense, Jorge Picciani, do ex-presidente da Casa Paulo Mello e do líder do Governo, Edson Albertassi. As prisões ocorrem no âmbito da Operação Cadeia Velha, que investiga suposta corrupção operada a partir do Legislativo estadual, e atinge duramente a cúpula peemedebista. Agora, a Assembleia terá de decidir se confirma ou revoga a decisão.

‘Você é nosso líder, conte comigo pra qualquer parada’

+ No Zap, Pezão recorreu a Picciani para reconduzir juiz ao TRE do Rio

+ Empresa de Picciani fez até ‘terceirização’ de lavagem de dinheiro, diz Procuradoria

Picciani e Paulo Melo pegaram R$ 112 mi em propinas, diz Procuradoria

Em seu voto pela prisão e afastamento dos cargos, o relator do processo, Abel Gomes, alegou que provas recolhidas pelo Ministério Público Federal (MPF) demonstram que os três parlamentares estão envolvidos em esquemas de corrupção ativa e passiva e de lavagem de dinheiro. Como as irregularidades permanecem, a prisão foi considerada em flagrante, como informou o tribunal, por meio de sua assessoria de imprensa.

“Nossa decisão é problema nosso. A decisão da Alerj é problema dela”, disse o desembargador Messod Azulay. “O desequilíbrio fiscal se deve a essas pessoas. Essas pessoas precisam ser lamentavelmente afastadas do convívio da sociedade. Se tiver que submeter à Alerj que se submeta e a história que julgue.”

Não há um chefe mor, mas um comando horizontal da grande confraria do crime organizado do Rio, diz PF

O Rio definha e ‘esses sujeitos se empapuçam com dinheiro da corrupção’, diz procurador

Na última terça-feira, 14, Picciani, Mello e Albertassi foram conduzidos coercitivamente pela Polícia Federal para prestar depoimento à Operação Cadeia Velha, um desdobramento da Operação Lava Jato. Nesta quinta-feira, 16, o colegiado da Primeira Seção Especializada do TRF-3 se reuniu por volta das 13h para definir se acataria a acusação do MPF.

O mandado de prisão preventiva foi expedido imediatamente após a conclusão da sessão especial do TRF-2, por volta das 15h. Mas os três deputados poderão ser soltos em seguida, caso essa seja a decisão da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), que será notificada ainda nesta quinta-feira, 15.

Os cinco desembargadores que formaram o colegiado do TRF-2 – além de Gomes e Azulay, Paulo Espírito Santo, Marcelo Granado e Ivan Athié (presidente) – chegaram a debater se a Assembleia tem o poder de suspender a decisão judicial. Houve discussão sobre a prerrogativa aberta pelo caso do senador Aécio Neves (PSDB-MG), que foi liberado pelo Senado após o Supremo Tribunal Federal (STF) decidir pelo seu afastamento do cargo e recolhimento noturno em casa.

Por fim, o presidente do colegiado do TRF-2 deliberou a prisão e remeteu o caso à Alerj, sem detalhar o que acontecerá no futuro. Presente à sessão, o procurador regional da República Carlos Alberto Aguiar antecipou, no entanto, que vai retornar ao tribunal para pedir o afastamento dos três deputados do cargo, caso a Assembleia Legislativa derrube a decisão judicial.

Picciani, Melo e Albertassi são acusados de manterem “relações espúrias e promíscuas” com empresas de transporte público e com o Grupo Odebrecht, segundo o relator do processo. Os deputados teriam recebido propinas de mais de R$ 100 milhões.

“Há indicação suficientemente comprovada de que os três deputados receberam por anos a fio” propina para favorecer esse grupo de empresas, afirmou Gomes.

O magistrado destacou ainda que, como acusa o MPF, Picciani participa de esquemas de desvio de recursos públicos desde o fim da década de 90. Gomes, ao ler o pedido de prisão preventiva e de afastamento do cargo, argumentou que o “pior autoritarismo é o exercido de forma dissimulada”, em referência aos políticos que usam o poder atribuído pela população para o favorecimento próprio.
O tema do autoritarismo foi tratado também pelo presidente da República, Michel Temer, ao participar de evento ontem. Segundo Temer, o povo brasileiro tem tendência a “sempre caminhar para o autoritarismo”.

Defesa. Na terça-feira, os três parlamentares negaram seu envolvimento em crimes. Picciani, em nota, classificou de “covardia” a prisão de seu filho, Felipe Picciani. O objetivo, afirmou o parlamentar, seria atingi-lo.

No fim da tarde, Picciani e Melo se apresentaram para serem presos na sede da Superintendência da Polícia Federal no Rio de Janeiro, na Praça Mauá, no Centro da capital fluminense.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: