Treinamento remoto: novas ferramentas buscam equipe engajada

Treinamento remoto: novas ferramentas buscam equipe engajada

Fábio Seghese*

13 de setembro de 2020 | 06h30

Fábio Seghese. FOTO: DIVULGAÇÃO

A pandemia do COVID-19 pegou todo mundo de surpresa e obrigou muitas empresas a reformularem sua dinâmica de trabalho. Compreendendo o ser humano como o ativo mais importante que uma organização pode ter, você deve estar se perguntando: existem formas eficazes de treinamento remoto para minha equipe?

O home office veio para ficar e está causando grande ansiedade nos responsáveis por DHO nas empresas. Quase todas agora estão convertendo processos de aprendizado e desenvolvimento em programas virtuais. É natural que você, gestor, se preocupe em não conseguir acompanhar a evolução do trabalho da sua equipe no meio digital ou que seus funcionários não se adaptem à tecnologia. Porém, é certo que o treinamento virtual deixou de ser uma tendência e passou a ser uma necessidade. Agora nós, profissionais de Recursos Humanos, experimentaremos os benefícios de transformar treinamentos habituais em experiências virtuais envolventes e eficazes.

Mesmo antes da quarentena, o treinamento a distância já era utilizado por empresas que enxergavam na atividade a possibilidade de inovar, reduzir custos, flexibilizar a aprendizagem e dar aos colaboradores mais autonomia. Ficamos sabendo, por exemplo, que a empresa norte-americana Guild Mortgage converteu todo o dinheiro investido em viagens dos seus colaboradores em treinamento virtual, o que segundo eles permitiu que os treinamentos depositassem menos pressão nos funcionários, pois sua duração poderia ser distribuída em mais dias da semana, com menos horas diárias.

Nesse momento de adaptação você deve estar se familiarizando com as ferramentas virtuais, especialmente com seus recursos incorporados, para garantir que seus colaboradores se sintam integrados ao participarem das discussões propostas nas reuniões. Para a eficiência da aprendizagem remota é importante, por exemplo, que haja ao menos dois mediadores, para que enquanto um se concentra na entrega do conteúdo, o outro monitore perguntas, comentários e avalie a compreensão dos participantes. Além disso, as apresentações com PowerPoint devem ter variação de aparência e conter mensagens-chaves para evitar a dispersão no tema.

A conversão para o digital também representa uma boa oportunidade para atualizar conteúdo. Se o tema se mantém atual, pode e deve ser utilizado no treinamento, mas é importante nunca perder de vista os pontos fundamentais, como o propósito do programa ou metas de aprendizagem final.

Alguns procedimentos funcionam bem, como participantes reunidos em salas online separadas para discutir temas específicos, pesquisar um tópico por 10 minutos ou pensar ideias criativas em um quadro branco virtual e, em seguida, compartilhar suas descobertas em um grupo geral com todos os colaboradores.

A equipe deve estar treinada para o mundo digital. De acordo com o Índice e Indicadores do Mercado Online (MCC-ENET), as vendas online cresceram em mais de 40% no primeiro semestre de 2020, e as projeções preveem aumentos ainda mais significativos. Basicamente, se sua empresa não está preparada para as inovações tecnológicas, corre o risco de perder oportunidades para empresários atentos com as novas tendências de compra.

Assim, para que você não seja atropelado e deixado para trás, aqui vão algumas dicas de ferramentas que ajudarão nessa nova empreitada digital e garantirão experiências inovadoras e de qualidade para a sua equipe.

CURSOS ONLINE: Os cursos online, por exemplo, ganharam muito espaço após a pandemia em plataformas como a Hotmart ou a Udemy, mas também podem ser feitos através de quizes, lives e aplicativos de vídeo chamada, em diferentes formatos e níveis de treinamento; já se a sua equipe busca um material objetivo e pontual, os e-books são ótimos para compartilhar ideias e conteúdos gerais. Com o e-book, você pode captar a atenção de diferentes perfis, sempre usando de um conteúdo profundo, mas dinâmico, que crie uma relação ainda maior com a equipe e seus respectivos setores.

MICROLEARNING: você pode investir em métodos mais dinâmicos e que seguem uma tendência de mercado. Hoje fala-se no Microlearning, por exemplo, que compila conhecimentos e os dividem em pequenas doses, abordando informações importantes de maneira direta e assertiva com vídeos curtos, programas interativos, jogos e leituras ágeis. Dessa forma é possível distribuir uma quantidade incrível de conhecimento e manter o foco e a atenção dos envolvidos no aprendizado.

GAMEFICAÇÃO: Também bastante procurado, a Gameficação utiliza técnicas e elementos de jogos, se baseando em um sistema de recompensas que estimula a cooperação e uma competitividade saudável entre funcionários. Esse método proporciona uma experiência diferente aos participantes e acaba por motivá-los e engajá-los a alcançar um objetivo final. Já existem jogos desenvolvidos para o Zoom, por exemplo.

Por fim, você pode optar também por uma ferramenta de Realidade Virtual. Imersos em vídeos de 360º, os funcionários participam de atividades lúdicas e interativas, inseridos em ambientes e situações criadas de acordo com a necessidade de capacitação da sua empresa.

Especialmente em momentos de crises e incertezas como o que estamos passando, colaboradores preparados são essenciais para que a improdutividade, desânimo ou desorganização não ocorram na rotina do trabalho remoto. E estar preparado significa que o aprendizado e desenvolvimento dos seus profissionais é mais essencial do que nunca.

*Fábio Seghese, sócio da Humano Mais

Notícias relacionadas

Tudo o que sabemos sobre:

Artigo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: