Transparência abre 4.ª fase da Andaime, contra desvios de R$ 18 mi em obras públicas na Paraíba

Operação conjunta com Polícia Federal, Procuradoria da República e promotoria estadual aponta fraudes em cerca de 180 contratos e cumpre sete mandados de buscas

Julia Affonso, Mateus Coutinho e Fausto Macedo

20 de julho de 2016 | 12h09

CGU. Foto: André Dusek/Estadão

CGU. Foto: André Dusek/Estadão

O Ministério da Transparência – antiga Controladoria-Geral da União (CGU) – informou que na manhã desta quarta-feira, 20, deflagrou a 4.ª fase da Operação Andaime nas cidades paraibanas de Sousa, Joca Claudino, Uiraúna e Bernardino Batista.

Estão sendo cumpridos sete mandatos de busca e apreensão em municípios da Paraíba e do Rio Grande do Norte. O Ministério da Transparência participa da operação com oito auditores.

A missão é realizada em parceria com o Ministério Público Federal, a Polícia Federal e o Ministério Público do Estado da Paraíba e tem o objetivo de investigar fraudes em licitações e desvios de recursos públicos em obras públicas.

Na primeira fase da operação, deflagrada em junho de 2015, foram constatados desvios de verbas superiores a R$ 18 milhões e irregularidades relacionadas, principalmente, à venda de notas fiscais em obras de serviços e engenharia e à montagem de processos licitatórios. Também foi verificada a existência de ‘empresas fantasmas’, que participavam e venciam licitações que, no fim, eram executadas pelas próprias prefeituras, segundo o Ministério da Transparência.

Estima-se que foram fraudados cerca de 180 contratos de licitações em diversos municípios paraibanos. A nova fase da Andaime identificou ‘a atuação de outros participantes no esquema criminoso, como agentes públicos, empresários e servidores públicos’.
“Havia, inclusive, pessoas que exerciam, alternadamente, as funções simbólicas de executor da obra e engenheiro fiscal da obra”, destaca Transparência.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.