‘Tonico’, doleiro das propinas da Odebrecht, encontrado morto

Antônio Claudio Albernaz Cordeiro, de 63 anos, havia sido preso em duas fases da Lava Jato; para polícia, hipótese mais provável é suicídio

Julia Affonso

27 de março de 2019 | 15h38

O doleiro Antônio Claudio Albernaz Cordeiro, o ‘Tonico’, de 63 anos, alvo da Operação Lava Jato, foi encontrado morto em sua casa na zona sul de Porto Alegre, na tarde de domingo, 24. A hipótese mais provável é que ‘Tonico’ tenha se suicidado.

O delegado da Polícia Civil Newton Martins de Souza Filho, da 6ª Delegacia de Polícia de Homicídios e Proteção à Pessoa, relatou que não havia sinal de luta corporal e nem de presença de outras pessoas.

“A casa estava em perfeita ordem”, afirmou o delegado. “Ele estava sozinho em casa. Foi encontrado com algumas marcas de sangue.”

Segundo o policial, o celular de Albernaz foi encontrado entre a cama e o criado-mudo. Newton Martins de Souza Filho declarou que não havia ‘sinal de subtração’ de objetos e documentos.

‘Tonico’ foi preso em duas fases da Lava Jato. A primeira em março de 2016, na Operação Xepa – 26.ª fase da investigação do Paraná que mirou a contabilidade paralela de propina da Odebrecht.

Em maio de 2018, o doleiro foi novamente alvo de mandado de prisão da Operação Câmbio, Desligo, deflagrada pela Polícia Federal no Rio. A investigação mirou uma rede com 45 doleiros no Brasil e no exterior por meio de operações dólar-cabo, entregas de dinheiro em espécie, pagamentos de boletos e compra e venda de cheques de comércio.

Tudo o que sabemos sobre:

operação Lava Jato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.