Todo dia é o momento de se reinventar

Itamar Serpa*

21 de maio de 2020 | 06h00

Viveremos um novo tempo. Não pense que quando tudo isso passar voltaremos à normalidade. Nada será como era antes da pandemia da covid-19. O mundo que existia com a globalização vai se desmoronar e precisamos nos preparar para essa realidade. É preciso vivermos em uma sociedade com mais empatia, mais união, mais paixão pela vida. As empresas precisam coopetir ao invés de só competir. A otimização passará do “Just In Time” para “Just In Case”, podendo significar para nós e nossos parceiros “Qual é o nosso caso?” e “Como encantar os consumidores juntos?”.

O propósito da empresa deve acompanhar a saúde do seus colaboradores e também a financeira. Afinal, em meio à crise, é necessário buscar soluções em todas as esferas que minimizem impactos negativos nas pessoas e nos negócios. As últimas semanas mim têm sido de muito estudo, reflexão e aprendizado. Tenho lido bastante sobre diversos assuntos, entre eles como inovar, renovar atitudes e tornar a gestão próxima da operação no ponto de venda. Trabalhando de casa, entre uma reunião e outra, também tenho a oportunidade de ganhar mais carinhos dos meus filhos e esposa, conversar sobre livros, trocar experiências e buscar diariamente a convivência harmoniosa, apesar dos normais conflitos que ocorrem no dia a dia em quarentena.

Não temos certeza de nada, apenas que vamos moldando nosso caminho a cada dia, descobrindo o rumo e os desvios necessários. Já vivenciei momentos difíceis. Dessa forma, asseguro que essas situações passam e estou convicto de que sairemos com mais aprendizados do que perdas. Porém, este cenário atual é o mais preocupante em todos os sentidos para a sociedade mundial. O mundo efetivo para se viver não pode depender exclusivamente de fábricas centradas na China ou produtos farmacêuticos somente na Índia. Essa dependência monopolista não pode dominar nossas vidas. Teremos que  revisar o funcionamento do sistema de saúde, educação e segurança com mais investimentos. A questão da construção de estádios é assunto para o setor privado.

É preciso parceria entre o Estado e as empresas para uma relativa autossuficiência. Será que o que vivemos hoje é um ensaio do futuro iminente? A esperança é que os líderes do mundo inteiro aprendam, sejam resilientes e cheguem a um mínimo de consenso do que fazer em cada momento que ainda está por vir. Diante de um futuro incerto, mantenha a esperança, a positividade, a fraternidade, a motivação e paixão pela evolução da vida. O novo mundo será diferente, cheio de oportunidades e perigos para quem não se adaptar.

É necessário buscar no futuro o que queremos, evoluir hoje para alcançar a vitória dos negócios e dos empregos, dos quais precisamos e somos responsáveis. Adote um foco no futuro, busque nele o que se deve fazer hoje e mude o jeito antigo de liderar. O líder é um conector de pessoas, pois as inspira, interpreta relacionamentos e alcança resultados junto com a equipe. Reflita e busque ações positivas todos os dias.

*Itamar Serpa, fundador da Embelleze

Tudo o que sabemos sobre:

Artigo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.