‘Toda tirania deve ser afastada, inclusive a tirania da maioria que elege o Executivo e o Congresso’, avisa Alexandre

‘Toda tirania deve ser afastada, inclusive a tirania da maioria que elege o Executivo e o Congresso’, avisa Alexandre

Em transmissão ao vivo nesta segunda, 10, ministro do Supremo Tribunal Federal pediu respeito aos direitos fundamentais, destacou protagonismo da Corte em discussões políticas e legislativas recentes e defendeu independência do Poder Judiciário

Rayssa Motta

10 de agosto de 2020 | 20h32

O ministro do Supremo Tribunal Federal, Alexandre de Moraes, em seu gabinete, em Brasília. Foto: Dida Sampaio / Estadão

Responsável por decisões e investigações que têm desagradado o governo federal, o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), defendeu nesta segunda, 10, a independência do Poder Judiciário e destacou o protagonismo da Corte nas principais discussões políticas e legislativas desde a redemocratização. 

Absolutamente nenhuma grande discussão de 1988 até hoje deixou de chegar ao Supremo Tribunal Federal. Não porque o STF puxe ou tenha puxado essa competência, mas porque no Brasil pode ser provocado por muitos órgãos”, afirmou o ministro em transmissão ao vivo na noite de hoje.

Nos últimos quatro meses, com o agravamento da crise provocada pela covid-19, mais de três mil ações relacionadas ao coronavírus foram parar no STF. Entre elas, aquela em que Moraes deu autonomia a estados e municípios na adoção medidas de quarentena e isolamento social ou uma segunda que decretou a suspensão da dívida pública dos governadores com a União enquanto durar a pandemia. Para o ministro, a Corte tem o dever de ʽimplementar de forma efetiva o direito à Saúdeʽ.

Alexandre de Moraes também defendeu que, além das funções de mediador de conflitos entre os entes federativos e os Poderes, o Supremo tem sido exitoso em efetivar direitos e garantias fundamentais às minorias – a exemplo da criminalização da homofobia e do entendimento de que o crime de racismo pode ser aplicado a casos de antissemitismo. 

“Não há mais espaço para discriminação em relação aos direitos humanos fundamentais. A universalidade dos direitos humanos foi conquistada no século passado. A plena efetividade nós temos que lutar para conquistar neste século”, disse.

Moraes, que é relator dos inquéritos das fake news e dos atos antidemocráticos, que miram apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), também defendeu a premissa de que ʽtoda tirania deve ser afastada, inclusive a tirania da maioria que elege o Executivo e o Congresso Nacionalʽ em nome da perpetuidade do regime democrático.

A maioria, mesmo representada no Executivo e no Congresso, não pode discriminar, perseguir ou ignorar os direitos e garantias fundamentais das minorias”, afirmou o ministro.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: