‘Toda essa palhaçada com o meu nome não pode ter um fim se eu não for preso’

‘Toda essa palhaçada com o meu nome não pode ter um fim se eu não for preso’

Na mensagem que gravou em vídeo para a militância, antes de ser preso na Operação Lava Jato, Lula atacou o juiz Sérgio Moro, que o condenou, e afirmou que 'pode demorar um pouco, mas vai vencer essa batalha'

Fausto Macedo e Fernanda Yoneya

08 de abril de 2018 | 18h04

Assista a mensagem do ex-presidente Lula

MENSAGEM DO LULAVídeo: Ricardo Stuckert

Publicado por Lula em Domingo, 8 de abril de 2018

Na mensagem em vídeo que gravou para a militância, antes de ser preso na Operação Lava Jato para cumprir sua pena de 12 anos e um mês de reclusão no processo do polêmico triplex do Guarujá, Lula disse acreditar que logo vai superar a crise. “Pode demorar um pouco, mas vamos vencer essa batalha”, ele disse.

+++‘Lula está bem, embora indignado’, diz advogado

O depoimento do ex-presidente foi gravado ao lado de frei Betto, que foi visitá-lo no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em São Bernardo do Campo. Na velha trincheira do sindicato onde forjou sua carreira, Lula permaneceu durante dois dias até se entregar à Polícia Federal, já na noite de sábado, 7.

+++Lula desafia procuradores e ‘asseclas’

Na gravação, Lula recorda os tempos de sindicalista, em 1980, quando foi preso pelos agentes do Departamento de Ordem Política e Social (DOPS), braço da repressão, sob acusação de violação da Lei de segurança Nacional, por ‘incitação à greve’.

+++Café preto e pão com manteiga para Lula

“Em 80, quando eu fui preso, o Betto estava em casa. Foi o Betto que levantou e bateu na minha porta, ‘ô Lula, a polícia tá aí’.”

+++Último comício: veja frases de Lula em ato no sindicato

Agora alvo da Lava Jato, o petista afirma estar com ‘a consciência tranquila, leve’.

Atacou o juiz Sérgio Moro, que o condenou e ainda conduz outros dois processos criminais contra ele, e também atacou o procurador da República Deltan Dallagnoll, da força-tarefa do Ministério Público Federal.

+++Não exposição pública, batedores e o último comício: bastidores do histórico termo de rendição de Lula

“Eu estou muito de bem com a minha consciência, de bem com a minha vida. Eu tenho dito que o que me faz ficar bem é a tranquilidade da minha consciência. Eu duvido que o Moro, eu duvido que o Dallagnoll, eu duvido que os caras que fizeram as mentiras que estão fazendo contra mim deitem toda noite com a consciência tranquila que eu deito e durmam o sono que eu durmo. Devem estar com a consciência pesada. Minha consciência é uma consciência leve e eu sei das mentiras que eles contaram prá me destruir.”

+++Tumulto, corre-corre, feridos, bombas. Lula chegou!

Ele disse acreditar que sua prisão foi decretada porque havia a possibilidade de conseguir uma liminar que ‘acabasse com esse negócio da condenação da segunda instância’. “E nós não prendemos o Lula! Assim não vale!”

+++O último comício

+++‘Lula vende-se como um perseguido, o que nunca foi’, reagem procuradores

Lula atribui a ordem de prisão à ‘vaidade pessoal (de Moro)’. “E a vontade de tirar fotografia minha preso, única explicação que eu encontro prá essa loucura’.

+++‘Um crime sem conduta’, insiste defesa de Lula

“Nós temos recurso, ainda vamos entrar com embargos dos embargos na segunda feira.”

“Engraçado, estou muito mais tranquilo hoje do que em 1980.”

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.