TJ-SP vai mediar conflitos de violação de Direitos Humanos

Envolvidos em casos de homofobia e preconceito racial e contra soropositivos terão ajuda de um mediador para buscar soluções pacíficas

Redação

23 de setembro de 2014 | 16h34

Por Julia Affonso

Um acordo entre o Tribunal de Justiça de São Paulo e a secretaria de Estado da Justiça e da Defesa da Cidadania firmado nesta terça-feira, 22, vai viabilizar a atuação de mediadores da Corte em casos de violação de Direitos Humanos. Pessoas envolvidas em conflitos relacionados a homofobia e preconceito racial e contra soropositivos terão ajuda de um mediador para buscar soluções pacíficas.

“Acreditamos que esta é uma forma de disseminar a cultura da paz, pois esses casos de preconceito refletem uma sociedade conflituosa”, afirmou a secretária de Estado da Justiça Eloisa Arruda.

O projeto-piloto funcionará na capital paulista. Os casos passíveis de atendimento serão indicados pela Secretaria da Justiça, que também disponibilizará o local das sessões de mediação, oferecerá treinamento especializado sobre os temas de violação de Direitos Humanos e cursos de formação e capacitação dos novos mediadores. O TJ/SP disponibilizará os profissionais e oferecerá instrutores para realização de cursos.

“Precisamos de projetos que sigam a linha, porque litigar não é solução”, prega o presidente do TJ, desembargador José Renato Nalini.

Tudo o que sabemos sobre:

Direitos HumanosTJ-SP