Teori não estende a Cerveró prisão domiciliar de empreiteiro da UTC

Teori não estende a Cerveró prisão domiciliar de empreiteiro da UTC

Ministro do STF julgou inviável pedido da defesa de ex-diretor de Internacional da Petrobrás preso na Operação Lava Jato, que pretendia mesmo benefício concedido a Ricardo Pessoa

Redação

20 de maio de 2015 | 05h00

Nestor Cerveró está preso desde o início de janeiro. Foto: André Dusek/Estadão

Nestor Cerveró está preso desde o início de janeiro. Foto: André Dusek/Estadão

Por Julia Affonso, Ricardo Brandt e Fausto Macedo

O ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal (STF), negou seguimento – julgou inviável – ao pedido em que a defesa de Nestor Cerveró, ex-diretor da Área Internacional da Petrobrás, pretendia a extensão do habeas corpus concedido pela Segunda Turma da Corte ao empreiteiro Ricardo Pessoa, da UTC Engenharia, para substituir a prisão preventiva por medidas cautelares alternativas – no caso, prisão domiciliar sob monitoramento de tornozeleira eletrônica e proibição de deixar o País.

Acusado de envolvimento em suposto esquema de desvio de recursos da Petrobrás, formalmente denunciado pelo Ministério Público Federal por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, Cerveró está preso em caráter preventivo em Curitiba (PR) desde janeiro de 2015. Segundo o ministro Teori Zavascki, relator da Operação Lava Jato na mais alta Corte do País, é incabível a extensão requerida pela defesa de Cerveró, “em face da ausência de identidade de situação processual entre os investigados”.

O ministro explicou que o decreto de prisão de Ricardo Pessoa estava calcado em fundamentação que “se voltava expressamente para assegurar a aplicação da lei penal (risco de fuga por ser dirigente de empresa com filial no exterior), à garantia da ordem pública (reiteração e habitualidade delitiva atual) e à conveniência da instrução criminal (ameaça a testemunha e emprego de documento falso)”.

Sobre Nestor Cerveró, o ministro observou que, apesar de o decreto de prisão estar fundamentado também na garantia da ordem pública e na aplicação da lei penal, a situação do ex-diretor da Petrobras é diferente. Além disso, Cerveró teria ocultado cidadania espanhola.

Segundo o relator, “a necessidade da custódia está justificada em razão da continuidade da prática de supostos crimes de lavagem de dinheiro com o intuito de dissipar patrimônio obtido, em tese, com o proveito dos crimes, assim como em razão da eventual ocultação de passaporte espanhol, o que representaria risco de fuga”.

Assim, o ministro Teori Zavascki negou seguimento ao pedido, observando que “a prisão preventiva está fundamentada em outra realidade fática, o que não abre hipótese de extensão da ordem concedida a Ricardo Ribeiro Passos”.

_________________________________________

VEJA TAMBÉM:

Moro abre ação contra primeiro bloco de políticos

Empreiteiro diz que Vaccari pediu propina em forma de doação eleitoral

Justiça autoriza empreiteiro na CPI, mas só para falar de Petrobrás

Juiz autoriza ida de empreiteiros da Lava Jato ao dentista

_________________________________________

Tudo o que sabemos sobre:

Nestor Cerveróoperação Lava Jato