‘Tenha fé, mas vá armado’, diz deputado do PSL emboscado a tiros em MS

AO VIVO

Eleições: 2020: notícias, resultados e apuração do 2° turno

‘Tenha fé, mas vá armado’, diz deputado do PSL emboscado a tiros em MS

Carro em que Loester Trutis estava foi alvejado por cinco disparos neste domingo, 16; PF formou equipe para trabalhar com exclusividade na investigação

Pedro Prata

17 de fevereiro de 2020 | 15h30

O deputado federal Loester Trutis (PSL/MS), emboscado a tiros em Mato Grosso do Sul neste domingo, 16, disse que ‘graças a Deus’ pôde revidar e aguardar a chegada da Polícia. Ele seguia para Sidrolândia, município 74 km ao sul de Campo Grande, quando o carro em que viajava foi alvejado por ‘ao menos cinco disparos’. Ele não foi atingido e reagiu a tiros também.

Loester Trutis publicou em sua página no Facebook. “Meu pai dizia: ‘Tenha fé, mas vá armado’”.

Loester Trutis diz que revidou ao ataque a tiros: ‘Meu pai dizia: ‘Tenha fé, mas vá armado”. Foto: Luis Macedo/Câmara dos Deputados

A Polícia Federal criou uma equipe para trabalhar exclusivamente com o caso. A corporação conta com o apoio da Polícia Militar e da Polícia Civil do Estado.

“Quem achou que eu ia parar ou me calar, digo que estamos apenas começando e sigo trabalhando”, avisa o parlamentar.

Foto: Facebook/@loestertrutisdep/Reprodução

Emboscada

O perfil pessoal de Trutis postou no Facebook a imagem do veículo atingido pelos disparos, com o vidro de uma das laterais parcialmente destruído, e anunciou que o deputado cancelaria a agenda programada para o dia.

O parlamentar do PSL chamou a atenção em setembro do ano passado, quando divulgou um vídeo nas redes sociais em que oferecia R$ 100 mil para quem desse informações sobre a atuação de Adélio Bispo, autor de uma facada no presidente Jair Bolsonaro ainda no período de campanha presidencial, em 2018.

COM A PALAVRA, A PF

“Em razão dos fatos ocorridos na data de 16/02/2020 com o Deputado Federal Loester Carlos Gomes de Souza e em razão das indagações formuladas pela imprensa, a Polícia Federal reitera que não repassa quaisquer informações sobre investigações em andamento, em razão do sigilo necessário.

Não obstante, importante ressaltar que se trata de uma investigação prioritária e que foi formada equipe para trabalhar com exclusividade para a elucidação do caso, em todos os seus aspectos. A Polícia Federal é responsável pela investigação, contudo, importante ressaltar que a Polícia Civil e Militar do Mato Grosso do Sul estão apoiando os trabalhos.”

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: