Tempos escalafobéticos

Tempos escalafobéticos

João Linhares*

13 de março de 2022 | 08h20

João Linhares Júnior. FOTO: ARQUIVO PESSOAL

Que quadra é essa,

em que a Constituição é ignorada à beça?

Em que juiz investiga

e faz política?

Em que a cúpula do poder claudica,

a lógica fenece

e a nação colhe o que não merece?

Me explica!!!

 

O controlador emudece;

nada de ser ajuizada qualquer ação penal.

Tudo se resume a meras e preliminares apurações.

Notícias de fato

que não passam de primícias,

singelas abstrações,

enquanto a democracia e a sociedade pagam o pato

Onde está o mal?

Me explica!!!

 

É só isso que acontece!

Sem cabimento,

tudo acaba em arquivamento.

Acha que é tudo?

Um setor da Defensoria Pública luta contra a vacina

infantil,

contra o que o ECA disciplina

com brio.

Que absurdo!

A Polícia Federal é manietada,

os delegados atuantes tomam severas bordoadas,

dado que removidos,

à sorrelfa,

numa canetada.

Estamos perdidos.

E ninguém dá um pio!

Me explica!!!

 

Sem olvidar as Forças Armadas,

nesta selva,

politicamente abraçadas…

D´algumas figuras

helenisticamente anacrônicas,

carrancudas.

A decente maioria atônita!

E grassam verbas pródigas para patuscadas,

uísques, vinhos, camarões,

carnes caras,

com módicas operações.

Mas sobram iguarias raras

e condecorações!

Que tempos escalafobéticos são esses?

Me explica!!!

 

O Congresso de ouvidos moucos:

impeachment nem pensar,

conquanto os indícios de crimes não sejam poucos…

Orçamento secreto na sala de estar.

E o povo?

Nada depreende.

Fica a pestanejar…

Uma pergunta pra quem entende:

e o arcabouço jurídico-constitucional?

Silêncio…

Dessume-se que seja trama indecente.

Fundo do poço.

Me explica!!!

 

Há crise institucional,

e ela é permanente.

Um desses que aí está

mente

a todo instante,

cheio de blá-blá-blá.

Atua de modo descarado,

sem pudor,

ao seu talante,

mas sempre com dolo.

É intencional!

E, nas ruas, panelaço,

percuciente clamor.

Ele passará?

Me explica!!!

 

Se não há justificativa

para o que está errado,

deixe-me pelo menos que a esse espetáculo

bizarro assista:

sem sigilos,

pois vislumbrarei as mansões dos pupilos,

a leviandade,

a ostentação,

a indiferença,

a ausência de piedade,

a incompetência,

a fraude,

a indecência,

o gasto perdulário no cartão

e incomensuráveis outros indícios

de que não passava de um

bufão,

de um mito –

claro que de barro –

frágil como palmito,

tacanho,

com muito esbirro,

todavia, sem lastro

e repleto de detrito…

Que tempos escalafobéticos são esses?

Me explica!!!

*João Linhares, promotor de Justiça do MP/MS. Integrante da Academia Maçônica de Letras de MS. Mestre em Garantismo e Processo Penal pela Universidade de Girona, Espanha. Especialista em Jurisdição Constitucional e Direitos Fundamentais pela PUC – RJ

Tudo o que sabemos sobre:

Artigo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.